Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2018 / 04 / Era uma vez uma MP: a nova lei trabalhista não vai mudar

Carochinha

Era uma vez uma MP: a nova lei trabalhista não vai mudar

"Já foi pro brejo", diz senador. "Enviaram medida provisória para cumprir tabela", afirma diretor do Diap
por Vitor Nuzzi, da RBA publicado 11/04/2018 15h34
"Já foi pro brejo", diz senador. "Enviaram medida provisória para cumprir tabela", afirma diretor do Diap
Marcos Oliveira/Agência Senado
senado

Paim: "O governo fez de conta que apresentou uma MP e deixou caducar. Nós alertamos"

São Paulo – Em 11 de julho do ano passado, por 50 a 26, o Senado aprovou o projeto que deu origem à Lei 13.467, de "reforma" da legislação trabalhista, que entrou em vigor em 11 de novembro. Para aprová-lo sem mudanças, uma voz insistente, a do líder do governo, Romero Jucá (MDB-RR), acenava com uma medida provisória que "corrigiria" alguns pontos considerados preocupantes até pela bancada alinhada ao Planalto. A MP veio, mas está quase indo embora, sem ser votada. E a lei ficará do jeito que está. "O governo fez de conta que apresentou um MP e deixou caducar", resume o senador Paulo Paim (PT-RS).

Embora a MP 808 ainda esteja válida, pelo menos até o dia 23, Paim oberva que a medida "já foi pro brejo", uma vez que o próprio presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que só colocaria o tema em votação até o último dia 3. "Nós alertamos que não ia votar coisa nenhuma", afirma o parlamentar. Uma comissão especial mista (Câmara e Senado) chegou a ser criada, mas o presidente renunciou e até hoje o colegiado não tem relator.

Durante a tramitação em comissões do Senado, o governo insistiu para que o projeto fosse aprovado sem mudanças, porque caso contrário teria de voltar para a Câmara. "Foi uma jogada do Jucá para evitar que na Câmara esse assunto eventualmente travasse", observa o analista Antônio Augusto de Queiroz, o Toninho, diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). 

Em momento algum houve intenção real de mexer na Lei 13.467, acrescenta o analista. "Enviaram a MP para cumprir tabela, sem nenhum compromisso para implementar", diz Toninho. "Eles querem evitar qualquer tipo de risco de o tema voltar à pauta." Entre os itens questionados, estavam o trabalho intermitente, a atividade de lactantes ou gestantes em locais insalubres e a jornada 12x36. 

"A base do governo só votou na reforma porque ele (Temer) iria vetar sete, oito artigos. Atenuava, mas não resolvia", lembra Paim. "Eu diria que eles acreditaram no presidente, e o presidente não cumpriu a parte dele." Deixaram-se enganar? "Bobo não chega aqui (no Senado)", diz o parlamentar. "Estavam jogando para a plateia", acrescenta o diretor do Diap.

O projeto do Executivo foi aprovado na Câmara em abril. O relator, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), multiplicou o número de artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) alterados pela proposta, e assim ficou – e ficará. Paim ainda aposta em sua proposta de Estatuto do Trabalho, discutido em 18 audiências públicas. Ele anuncia a primeira versão para meados de maio. Já Toninho avalia que qualquer mudanças só será possível em uma nova legislatura, com um governo eleito no campo progressista.

Procurado, o senador Jucá não respondeu. Sua assessoria diz que ele "não quer" falar sobre o assunto.

Leia mais:

Promessa do governo, MP trabalhista está prestes a caducar

Presidente da comissão da MP trabalhista renuncia, e Diap vê 'fantasma'

Jucá afirma que 'complemento' de reforma trabalhista sai dia 11

MP trabalhista empaca, e sindicalistas discutem projeto

Com reforma trabalhista, Brasil dá mau exemplo para o mundo

Senado aprova o projeto de reforma trabalhista, sem alterações

No escuro, senadoras resistem: 'Esse é um caminho sem volta'

Senado vota reforma trabalhista. CUT, MPT, CNBB e OAB protestam