Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2018 / 03 / Doria oferece reajustes aos servidores para aprovar reforma da previdência

barganha

Doria oferece reajustes aos servidores para aprovar reforma da previdência

Com pressa para ver aprovado projeto que muda previdência dos servidores antes de abandonar o Executivo, prefeito oferece 8% de reajuste para os professores, além de 24% no piso do funcionalismo
por Gabriel Valery, da RBA publicado 27/03/2018 14h44, última modificação 27/03/2018 15h52
Com pressa para ver aprovado projeto que muda previdência dos servidores antes de abandonar o Executivo, prefeito oferece 8% de reajuste para os professores, além de 24% no piso do funcionalismo
Reprodução/Sindsep
Servidores sp

Servidores em greve acompanham a discussão do projeto que altera as aposentadorias em frente à Câmara

São Paulo – O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta terça-feira (27) que não vai ceder à pressão dos servidores municipais que lutam contra as mudanças ele pretende fazer no sistema municipal de aposentadorias, e pretende ver o Projeto de Lei (PL) 621), que aumenta a alíquota previdenciária dos servidores de 11% para 14%, aprovado o mais rapidamente possível, já que o prefeito deixa o cargo já na próxima semana. 

Para garantir a aprovação defendida pelo governo, Doria ofereceu reajuste de 8% nos salários dos professores e de 24% no piso salarial do conjunto do funcionalismo municipal, e a retirada da alíquota extra que alimentaria as aposentadorias suplementares, que ficou conhecida como Sampaprev.

A proposta foi apresentada em reunião convocada de última hora com representantes dos servidores e depois anunciada em entrevista coletiva. Junto com o prefeito, estavam presentes os secretários de Gestão, Paulo Uebel, e de Governo, Júlio Semeguini, além do presidente da Câmara, vereador Milton Leite (DEM), e outros parlamentares da base governista.

Leite afirmou que deve convocar reunião de todas as comissões da Casa para deliberar sobre o projeto e, na sequência, afirmou que pretende aprová-lo ainda nesta terça-feira, durante sessão extraordinária. Se aprovado nessas condições, a Câmara tem 48 horas para votar novamente o projeto em segundo turno. Caso aprovado novamente, segue para sanção do prefeito. 

Para justificar a proposta, Doria afirmou que o alegado déficit na previdência municipal é principal entrave para o crescimento dos investimentos no município, hoje na casa dos 3% do montante total do Orçamento. 

Diversas categorias do funcionalismo municipal estão em greve desde o dia 8 e vêm realizando atos que reúnem milhares de servidores.