Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2016 / 09 / Metalúrgicos preparam mobilização rumo a dia nacional de luta da categoria

unidos

Metalúrgicos preparam mobilização rumo a dia nacional de luta da categoria

Trabalhadores de diferentes centrais sindicais em todo o país se unem contra as ameaças trabalhistas e previdenciárias do governo Temer
por Redação RBA publicado 09/09/2016 09h49, última modificação 09/09/2016 15h55
Trabalhadores de diferentes centrais sindicais em todo o país se unem contra as ameaças trabalhistas e previdenciárias do governo Temer
Força/Reprodução
metalurgicos

Metalúrgicos de todo o Brasil unificam luta contra ameaça aos direitos trabalhistas e previdenciários

São Paulo – Dirigentes dos principais sindicatos de metalúrgicos de todo o Brasil se reuniram ontem (8) em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, e definiram 29 de setembro como dia nacional de luta e mobilização da categoria para defender os direitos trabalhistas e previdenciários ameaçados pelo governo Michel Temer.

Participaram da reunião líderes sindicais afiliados a diferentes centrais sindicais, de diversas regiões do estado de São Paulo, como Osasco, Santos, ABC e São José dos Campos, e também do Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais e Goiás. Os dirigentes consideram que a união manifestada no encontro é um marco na luta pelos direitos dos trabalhadores. Assista reportagem de repórter Caroline Monteiro, para o Seu Jornal, da TVT.

"Faremos atos regionais e, no dia 29 de setembro, será um dia nacional de luta e mobilização rumo a uma greve geral. Isso é muito importante neste momento que o país atravessa, de ataque aos direitos dos trabalhadores", ressalta o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Miguel Torres.

O presidente do sindicato do ABC, Rafael Marques, observa que o debate sobre a legislação trabalhista tem que ser feito com a população. "Quando você mira nas leis trabalhistas o problema da competitividade da economia brasileira, ou mira na redução dos direitos trabalhistas como a forma de vencer a crise econômica que estamos vivendo, isso é tapar o sol com a peneira", afirma.

"Não podemos deixar que essa discussão aconteça de maneira burocrática, a quatro paredes, dentro Congresso Nacional, ou em gabinetes de ministros e deputados. Nós temos que fazer esse grande debate nas ruas, nas fábricas, nos locais de trabalho, para promover e arrancar da sociedade o que ela quer mesmo, de fato", diz o dirigente.

O sindicato do ABC lamenta também a atitude da Mercedes-Benz de São Bernardo, que anunciou a demissão de 370 trabalhadores após o término do Programa de Demissões Voluntárias (PDV), com o objetivo de atingir o número de 1.400 desligamentos.

Para Marques, após o encerramento do PDV, era possível buscar outras alternativas às demissões, como o Plano de Proteção ao Emprego (PPE), com redução proporcional da jornada e do salário, ou o lay-off. "A Mercedes dá um péssimo exemplo de relação trabalhista, no país, e não ajuda no debate econômico. Os trabalhadores vão resistir."