Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2016 / 09 / Estoque de empregos formais perdeu 1,5 milhão de vagas em 2015

Rais

Estoque de empregos formais perdeu 1,5 milhão de vagas em 2015

Estoque de empregos formais caiu de 49,6 milhões no fim e 2014 para 48,1 milhões no fim do ano passado
por Redação RBA publicado 16/09/2016 19h03
Estoque de empregos formais caiu de 49,6 milhões no fim e 2014 para 48,1 milhões no fim do ano passado
CTPS

Indústria e Região Sudeste lideraram os cortes

São Paulo – O Brasil perdeu 1,5 milhão de postos de trabalho com carteira em 2015. Segundo a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), divulgada hoje (16) pelo Ministério do Trabalho, o resultado é o pior da série histórica, iniciada em 1985. O estoque de empregos formais caiu de 49,6 milhões no fim e 2014 para 48,1 milhões no fim do ano passado. O estoque, entretanto, foi ainda o terceiro maior da série histórica, perdendo apenas para 2014 e 2013 (49,8 milhões).

Os rendimentos médios reais dos trabalhadores também recuaram em 2015 em relação a 2014 (-2,56%). A remuneração média individual caiu de R$ 2.725,28 para R$ 2.655,60.

Na comparação por setores da economia, apenas agropecuária contratou mais do que demitiu, tendo criado 20,9 mil vagas formais. Os demais setores registraram quedas, com destaque para indústria de transformação (-604,1 mil), construção civil (-393 mil) e comércio (-195,5 mil).

Entre as regiões, o Sudeste foi a que mais eliminou cortou empregos, 900,3 mil vagas, seguido por Nordeste (-233,6 mil) e Sul (-217,2 mil). Piauí (3 mil), Acre (2,8 mil) e Roraima (2,2 mil) foram as três únicas unidades da federação que tiveram saldo positivo de contratações em relação às demissões.

A Rais, divulgada uma vez por ano, se diferencia do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) – que é mensal – também por abranger não apenas trabalhadores do setor privado, mas temporários e servidores públicos federais, estaduais e municipais.