Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2016 / 09 / Bancários em greve rejeitam nova proposta que impõe perda real de salários

campanha

Bancários em greve rejeitam nova proposta que impõe perda real de salários

Em negociação hoje (9), Fenaban ofereceu 7% de reajuste, com perda salarial de 2,39%, e abono de R$ 3.300; proposta foi rejeitada e greve continua
por Redação RBA publicado 09/09/2016 17h17
Em negociação hoje (9), Fenaban ofereceu 7% de reajuste, com perda salarial de 2,39%, e abono de R$ 3.300; proposta foi rejeitada e greve continua
sindicato dos bancários
bancarios em greve 2.png

Greve continua: no primeiro semestre os bancos tiveram um resultado de R$ 107,2 bilhões com títulos

São Paulo –  O Comando Nacional dos Bancários rejeitou hoje (9) proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) de reajuste salarial de 7% (com 2,39% de perda salarial) e abono de R$ 3.300. A oferta anterior era de 6,5%, o que representa perda real de 2,8% e abono de R$ 3 mil. Uma nova reunião será realizada terça-feira (13) às 14h. Até lá, a greve, que já completa quatro dias, será mantida. O Sindicato dos Bancários de São Paulo fará assembleia segunda-feira (12), a partir das 17h, em sua quadra.

"Já avisamos que esse modelo que traz perdas para os trabalhadores não será aceito. A Fenaban precisa convencer os bancos a pagar aos seus funcionários um justo reajuste salarial. Também queremos que na terça-feira tragam resposta para outras reivindicações fundamentais para a categoria, como a proteção aos empregos, mais contratações pra acabar com a sobrecarga de trabalho, melhores condições de trabalho, auxílio-creche maior, vale-refeição na licença-maternidade", ressalta Juvandia Moreira, vice-presidenta da Contraf-CUT e uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários.

“O setor mais lucrativo do país negou as principais reivindicações da categoria, com o argumento que a economia esta incerta, mas só no primeiro semestre os bancos tiveram um resultado de R$ 107,2 bilhões com títulos, muito influenciados pelo elevado patamar da taxa Selic no país. Enquanto todos perdem os bancos seguem ganhando”, disse a dirigente.

O presidente da Contraf-CUT e um dos coordenadores do Comando Nacional dos Bancários, Roberto von der Osten, afirma que a resposta dos bancários será o crescimento do movimento grevista em todas as regiões do país. “A Fenaban continua querendo impor aos bancários um reajuste que não queremos, abaixo da inflação e com artifícios para compensar as perdas deste índice rebaixado. Nossa resposta já está dada, vamos continuar lutando e esperamos que na próxima rodada de negociação os bancos nos apresentem uma proposta decente. Unidade e mobilização não faltam à categoria, que já mostrou sua força nesta primeira semana de greve, quando batemos o recorde de paralisações no primeiro dia”, afirmou.

A categoria, com data-base em 1º de setembro, entregou a pauta de reivindicações no dia 9 de agosto e, após seis rodadas de negociação com a Fenaban, não houve acordo para o índice de reajuste e demais reivindicações.

Entre as reivindicações dos bancários estão: reposição da inflação do período mais 5% de aumento real, valorização do piso salarial, no valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$ 3.940,24 em junho), PLR de três salários mais R$ 8.317,90, combate às metas abusivas, ao assédio moral e sexual, fim da terceirização, mais segurança, melhores condições de trabalho. A defesa do emprego também é prioridade, assim como a proteção das empresas públicas e dos direitos da classe trabalhadora.

Balanço

No quarto dia de greve, 10.027 agências e 54 centros administrativos tiveram as atividades paralisadas, nesta sexta, em todo o Brasil. Este número representa 42,59% das agências bancárias do país. Na base do sindicato de São Paulo, são 890 locais de trabalho, sendo 17 centros administrativos e 873 agências parados.