Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2016 / 07 / Petroleiros fazem atos contra venda de campos terrestres da Petrobras

privatizações

Petroleiros fazem atos contra venda de campos terrestres da Petrobras

Mobilização busca chamar a atenção da população para o "crime que se comete com o município de Mossoró". Segundo o sindicalista José Araújo, do Sindipetro-RN, a Petrobras está sendo privatizada de forma enganosa
por Redação RBA publicado 26/07/2016 14h30, última modificação 26/07/2016 15h04
Mobilização busca chamar a atenção da população para o "crime que se comete com o município de Mossoró". Segundo o sindicalista José Araújo, do Sindipetro-RN, a Petrobras está sendo privatizada de forma enganosa
Alexandre Domingos
sindipetrorn.jpg

Trabalhadores não aceitam a venda de ativos da empresa: reservas de petróleo são estimadas em US$ 15 trilhões

São Paulo – Os petroleiros promoveram na manhã de hoje (26), dia nacional de luta da categoria, ato em frente à Base-34, sede administrativa da Petrobras em Mossoró (RN), na BR-304, contra a venda dos campos maduros terrestres da empresa. O ato, que começou às 6h, contou também com adesão de manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Outros protestos foram realizados em trechos da BR-101 na Bahia, Espírito Santo e na entrada de Macaé, no Rio de Janeiro.

Os campos foram definidos para concessão à iniciativa privada no plano de desinvestimentos da empresa. Esses campos estão localizados nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Sergipe, Bahia e Espírito Santo, e produzem 35 mil barris por dia, representando 2% da produção nacional. Ao todo, são 98 concessões de produção, mais seis blocos de exploração, totalizando 104 concessões.

O coordenador-geral do Sindicato dos Petroleiros e Petroleiras (Sindipetro-RN), José Araújo, afirmou em vídeo no página do sindicato no Facebook que a mobilização busca “chamar a atenção da população para o crime que se comete com o estado do Rio Grande do Norte, com o município de Mossoró. A Petrobras está sendo privatizada de forma enganosa, em que a população está sendo simplesmente ludibriada”. Segundo Araújo, com dados manipulados, “a Petrobras tenta passar uma imagem de que a empresa está em dificuldades e para superar essas dificuldades a empresa precisa vender os seus ativos”.

O sindicalista diz ainda que os argumentos de venda de ativos da empresa são “nada mais do que falácias”. Ele também destaca que “a Petrobras é uma empresa com um capital extraordinário para fazer face à sua dívida”. Araújo lembra que as reservas de petróleo da estatal são estimadas em mais de US$ 15 trilhões. “Conclamamos a sociedade a fazer essa aliança para proteger esse patrimônio do povo brasileiro, que tanto benefício traz para as comunidades onde a Petrobras atua”, disse.

Saiba mais:

registrado em: