Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2015 / 04 / Contag entrega pauta a Dilma e pede mais recursos à agricultura familiar

Reforma agrária

Contag entrega pauta a Dilma e pede mais recursos à agricultura familiar

Entidade também pede que governo apresente um novo plano nacional de reforma agrária. Durante encontro, trabalhadores também pediram que presidenta vete projeto da terceirização, caso aprovado
por Redação RBA publicado 15/04/2015 15h18, última modificação 16/04/2015 11h37
Entidade também pede que governo apresente um novo plano nacional de reforma agrária. Durante encontro, trabalhadores também pediram que presidenta vete projeto da terceirização, caso aprovado
Roberto Stuckert Filho/PR
15042015-_TUK2722-Editar.jpg

Pauta tem cerca de 200 itens relacionados a políticas públicas para o campo, incluindo melhorias na educação

São Paulo – A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) entregou hoje (15) a pauta do chamado Grito da Terra à presidenta Dilma Rousseff, pedindo mais recursos para a agricultura familiar e uma nova edição do Plano Nacional de Reforma Agrária. Para o Plano Safra, a entidade reivindica R$ 30 bilhões, entre custeio e investimentos, ante R$ 24,1 bilhões no ano passado. A 21ª edição do Grito da Terra Brasil será realizada de 18 a 22 de maio.

O presidente da Contag, Alberto Broch, entende que é momento também de o governo apresentar uma nova edição – que seria a terceira – de um plano sobre reforma agrária. A edição anterior é do primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Nesse contexto, ele lembrou que há aproximadamente 120 mil famílias acampadas pelo país e que precisam ser assentadas. Na reunião, a presidenta do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Maria Lúcia de Oliveira Falcón, disse que um novo plano deverá ser entregue no segundo semestre.

A pauta tem, no total, em torno de 200 itens relacionados a políticas públicas para o campo. Incluem melhorias na área de educação (via Pronatec, o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego), na saúde e na moradia, entre outras. Os trabalhadores querem ainda que as taxas de juros para o setor sejam mantidas.

A primeira reunião foi marcada para 11 de maio. As negociações, que envolvem mais de uma dezena de ministérios, serão coordenadas pelos ministros da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, e do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias. O pedido de recursos será avaliado dentro das possibilidades orçamentárias do governo, afirmou Patrus.

Broch também falou com Dilma sobre o Projeto de Lei 4.330, da terceirização, que está em discussão no Congresso e é alvo de uma série de projetos no dia de hoje. "Achamos que no Senado dá para melhorar, mas se isso não acontecer pedimos a ela que vete."

Com informações da Agência Brasil

Assista a matéria na íntegra da TVT