Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2015 / 02 / Metalúrgicos demitidos acampam para exigir pagamento de direitos

Guarulhos

Metalúrgicos demitidos acampam para exigir pagamento de direitos

Para barrar venda de maquinário sem que sejam quitadas as dívidas trabalhistas, 770 trabalhadores se instalam diante da empresa MTP
por Redação RBA publicado 03/02/2015 09h51, última modificação 03/02/2015 10h02
Para barrar venda de maquinário sem que sejam quitadas as dívidas trabalhistas, 770 trabalhadores se instalam diante da empresa MTP
reprodução/TVT
mtp

Sindicato do Metalúrgicos estima dívida trabalhista em R$ 50 milhões

São Paulo –  Cerca de 770 funcionários da metalúrgica MTP, em Guarulhos, região metropolitana de São Paulo, que perderam o emprego e não receberam seus direitos permanecem há mais de 15 dias acampados na porta da empresa para garantir o direito de terem suas dívidas trabalhistas quitadas.

Segundo o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos José Carlos de Oliveira, os trabalhadores reivindicam 50% do 13° salário, ainda não pagos, além de um adiantamento de 40% do salário, na forma de vale, para só então realizarem as homologações.

A empresa suspendeu as atividades no último dia 18 de janeiro e, no mesmo dia, tentou vender as máquinas. Desde então, os trabalhadores acampam em frente à empresa, pois acreditam ser essa é a única maneira de assegurar o pagamento de quase R$ 2 milhões em direitos trabalhistas.

A estimativa do sindicato é de que a dívida da empresa com rescisões contratuais chegue a R$ 50 milhões – as máquinas são avaliadas em R$ 80 milhões. "Qualquer tentativa de tirar máquinas, matéria-prima, o que for, vem todo mundo pra cá e faz uma pressão política, a não ser que a movimentação venha com uma ordem judicial. Fora isso, não sai nada da empresa”, garante Oliveira.

“Tem pessoas aqui que têm 40 anos de empresa. São 40 anos jogados fora, perdidos. Foi pelo ralo. A empresa é ótima para trabalhar, mas, infelizmente, a má administração levou a esse tipo de coisa", desabafou o trabalhador Carlos Vasconcelos.

O sindicato de Guarulhos fez um acordo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) para que as guias de FGTS e o seguro-desemprego sejam liberadas. O departamento de RH da empresa disse que os salários atrasados foram pagos na última sexta-feira (30). Outras verbas, como salários e a parcela atrasada do 13º, serão motivo de ações trabalhistas.

registrado em: ,