Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2012 / 02 / Metalúrgicos cobram medidas de proteção para a indústria de linha branca

Metalúrgicos cobram medidas de proteção para a indústria de linha branca

por Redação da RBA publicado , última modificação 09/02/2012 18h24

Metalurgicos participam do ato em defesa do emprego e da produção nacional (FOTO Sindicato dos Metalúrgicos São Carlos e Ibaté)

São Paulo – Após realizar manifestação na manhã desta quinta-feira (9), em São Carlos, no interior paulista, metalúrgicos da CUT e da Força Sindical querem discutir com o governo medidas de proteção à chamada linha branca (eletrodomésticos). Segundo os organizadores, mais de 5 mil trabalhadores participaram do ato - a cidade foi escolhida por ser um polo de fornecedores de peças para o setor. 

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Carlos, Erick Silva, citou a mobilização dos trabalhadores da indústria automobilística na defesa do setor de autopeças. "Os metalúrgicos defendem que o governo passe a exigir conteúdo nacional naquilo que é produzido no país. A redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) aumentou as vendas, mas não elevou a produção interna no setor de linha branca e nós lutaremos para reverter isso", afirmou.

Para o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Sérgio Nobre, o que acontece com a linha branca não pode ser considerado um fato isolado. "Os trabalhadores dos setores como o de calçados, têxtil, eletroeletrônicos, entre outros, também estão sofrendo com as importações. O que nós temos a fazer é cobrar para que os empresários também façam a sua parte, tendo um plano agressivo para melhorar seus produtos para baixar preços e assegurar competitividade do que é produzido aqui e, assim, concorrer de forma igual com os importados, garantindo empregos de qualidade."

O deputado federal Newton Lima (PT-SP) informou que encaminhou ao ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Raupp, pesquisa do Dieese sobre o setor – de acordo com o estudo, nos últimos dez anos a importação de peças cresceu 658,6%, enquanto as vendas de eletrodomésticos aumentaram 63,1%. "Ao reduzir o IPI do setor automotivo, o governo determinou que 60% da produção dos automóveis  ocorresse no mercado nacional. Infelizmente, essa medida não atingiu a linha branca, que foi invadida por produtos chineses", disse o parlamentar. Segundo ele, uma comissão de metalúrgicos deverá se reunir em breve com o ministro. Também estão previstas reuniões com os ministérios do Desenvolvimento e da Fazenda.