Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2011 / 07 / Nova "lista suja" do trabalho escravo aumenta para 251 nomes

Nova "lista suja" do trabalho escravo aumenta para 251 nomes

por Vitor Nuzzi, da RBA publicado , última modificação 29/07/2011 18h37

São Paulo – A nova "lista suja" de empregadores explorando trabalhadores em situação análoga à de escravidão, ganhou 48 nomes, enquanto 15 foram excluídos, sendo cinco em definitivo. A relação foi divulgada nesta sexta-feira (29) pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que produz o levantamento. Agora, são 251 infratores, entre pessoas físicas e jurídicas (clique aqui para acessar a lista completa). 

“As fiscalizações continuam ocorrendo; há inclusão de fiscalizações que ocorreram em 2010, o que demonstra maior agilidade em analisar os autos de infração, impor multas e analisar recursos. Talvez a baixa reinserção da lista seja a prova de que o cadastro é viável e importante, uma forma que tem dado resultado”, afirmou o chefe da Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo do MTE, Guilherme Moreira. As principais causas para que o nome seja mantido na lista são a não quitação das multas, a reincidência e ações judiciais em trâmite.

A maior parte dos nomes se concentra nas regiões Norte e Nordeste, com destaque para os estados do Pará, Tocantins e Maranhão. Segundo o ministério, no período em que estão no cadastro, os empregadores não recebem financiamentos com recursos públicos. "Além disso, o setor privado tem implementado, através do Pacto Nacional, medidas restritivas de relacionamento comercial com empregadores que constam do Cadastro, tornando-o um instrumento utilizado pelo governo federal para erradicação do trabalho escravo no país", acrescenta.