Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2011 / 05 / Com proposta de última hora, metroviários cancelam greve prevista para esta quarta-feira em São Paulo

Com proposta de última hora, metroviários cancelam greve prevista para esta quarta-feira em São Paulo

Proposta do Metrô, de 8% de aumento, não foi aceita. Debate sobre paralisação foi adiado para nova assembleia na quinta
por Redação da RBA publicado , última modificação 02/06/2011 14:10
Comments
Proposta do Metrô, de 8% de aumento, não foi aceita. Debate sobre paralisação foi adiado para nova assembleia na quinta

São Paulo – Os metroviários de São Paulo decidiram, em assembleia nesta terça-feira (31), cancelar a greve que estava prevista para a 0h de quarta (1º), após proposta de última hora da Companhia do Metropolitano (Metrô). Os funcionários estavam em campanha salarial por 10,79% de reajuste, resolveram adiar a greve após os 8% oferecidos pela empresa. Uma nova assembleia está marcada para esta quinta (2) e os funcionários continuam em estado de greve.

A discussão entre os trabalhadores caminhava para se colocar em votação o início da greve. Depois de quase uma hora e meia de reunião, o presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino Prazeres, anunciou que daria prazo de cinco minutos adicionais para que o Metrô apresentasse nova proposta. Sérgio Avelleda, presidente da companhia vinculada à Secretaria dos Transportes Metropolitanos, enviou por fax uma última oferta, com o reajuste de 8%, pouco acima da apresentada durante o dia (7,7%), que inclui 6,39% referente à variação do IPC-Fipe em 12 meses e pouco mais de 1,5% a título de aumento real.

Degundo a entidade, havia 1.200 pessoas no local. A decisão sobre a greve, porém, mostrou divisão entre os trabalhadores. Boa parte da assembleia defendia a paralisação aos gritos. Assim, o tema foi retirado da pauta, e a possibilidade de greve volta a ser discutida nesta quinta.

Foram garantidas ainda outras cláusulas reivindicadas na campanha salarial, como vale-alimentação de R$ 150 –  aumento de 50% –, licença-maternidade de seis meses e a participação nos resultados com elevação de 10%.

Há pontos não contemplados, como aumento real de 13,8% a título de produtividade e a equidade salarial para trabalhadores que desempenham funções iguais. Funcionários contratados mais recentemente têm rendimentos diferentes dos mais antigos.

 

registrado em: ,
comentários do blog alimentados pelo Disqus