Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2009 / 10 / Negociação com a Fenaban prossegue nesta sexta-feira

Negociação com a Fenaban prossegue nesta sexta-feira

Em rodada nesta quinta (1º), bancos tocam apenas em PLR e nada apresentam sobre reajuste
por Redação da RBA publicado , última modificação 01/10/2009 19h50
Em rodada nesta quinta (1º), bancos tocam apenas em PLR e nada apresentam sobre reajuste

Bancários entraram no 8º dia de greve. Em São Paulo, sindicato e Fenaban discutiram PLR dos trabalhadores (Foto: Seeb-SP)

São Paulo - Participação nos Lucros e Resultados (PLR) foi o único tema da negociação ocorrida nesta quinta-feira (1º) entre bancários e a Federação Nacional dos Bancos. Os dirigentes sindicais apresentaram dados que demonstram que a proposta feita pelo bancos este ano é muito inferior à do ano passado. O gasto dos bancos com PLR seria bem menor, assim como a distribuição para os bancários. O teto, que foi de 15% do lucro líquido das instituições, cairia para 4%.

“O debate sobre o tema tomou toda a quinta porque ao longo do dia foram feitos e confrontados vários cálculos, de ambas as partes, para tentar chegar a um formato que seja compatível com o esforço dos funcionários”, explicou o presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Luiz Cláudio Marcolino, que integra o Comando Nacional. “Em alguns bancos, com o modelo proposto, os trabalhadores receberiam até 80% menos que no ano passado”, protestou.

Greve

A expectativa da categoria é ter propostas com avanços para poder apresentar às assembleias por todo o país ainda nesta sexta. Até o momento, todos os sinais são de que a greve iniciada há dez dias continue.

“Como não chegamos a nenhum consenso, a rodada continua nesta sexta-feira (2)”, afirma Marcolino. “A greve continua em todo o país e os trabalhadores devem manter o movimento forte para que os banqueiros saibam que sem proposta boa a paralisação não acaba. Os bancos, novamente desrespeitaram os trabalhadores ao não apresentar nada sobre aumento real de salário, proteção aos empregos e condições de trabalho”, destaca o dirigente.

Com informações da Folha Bancária.