Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2009 / 06 / Aliados de Serra impedem investigações na CPI da CDHU

Aliados de Serra impedem investigações na CPI da CDHU

Recesso na Assembleia Legislativa também deve atrapalhar trabalho de apurar supostas irregularidades
por Gilson Monteiro, Jornal Brasil Atual publicado , última modificação 22/06/2009 10h01
Recesso na Assembleia Legislativa também deve atrapalhar trabalho de apurar supostas irregularidades

A primeira sessão da CPI da Companhia Nacional de Desenvolvimento Habitacional (CDHU), realizada na semana passada, foi dominada por aliados do governador José Serra. O resultado é que nenhum dos quatro requerimentos solicitados pela oposição, que convocariam para depor autoridades ligadas à investigação de suposto faturamento nas construções da CDHU, foi aprovado.

Segundo o deputado Antônio Mentor (PT-SP), a dificuldade começa na formação da comissão. Dos nove integrantes, apenas ele o colega Ênio Tatto (PT-SP) fazem oposição ao governo. Os demais, inclusive presidente e relator, são da base de sustentação de Serra.

O parlamentar petista lembra que são vários os indícios de irregularidades como, por exemplo, o superfaturamento. "Para se ter uma ideia, temos um levantamento (que mostra) que uma bacia de privada que, em qualquer loja de material de construção que você for custa R$ 50 ou R$ 60, na casa construída pelo CDHU custa R$ 300", acusa.

Para Antônio Mentor, a sede do legislativo paulista está toda voltada aos gostos do governador de São Paulo. "A Assembleia Legislativa acabou se transformando em um cartório do PSDB, do governo Serra", lamenta. "Aqui, a maioria  dos deputados está vinculado ao governo, apenas 23 dos 94 deputados fazem o trabalho de oposição, de modo que qualquer iniciativa que vise investigar e aprofundar qualquer tipo de fiscalização sobre o governo é difícil de implementar", lamenta.

Além da esmagadora maioria governista na comissão, o calendário da Casa não ajuda. A próxima reunião da CPI da CDHU está marcada para amanhã, mas na quarta-feira (24) a Assembleia entra em recesso e as investigações só começarão mesmo em agosto.