Você está aqui: Página Inicial / Saúde e Ciência / 2018 / 06 / Servidores fazem ato desmonte da saúde de São Paulo por gestões tucanas

precarização

Servidores fazem ato desmonte da saúde de São Paulo por gestões tucanas

Para dirigente do Sindicato dos Médicos, sucateamento que começou na gestão João Doria e segue com Bruno Covas (PSDB), pode ser um indicativo de privatização do setor
por Redação RBA publicado 15/06/2018 10h36, última modificação 15/06/2018 12h26
Para dirigente do Sindicato dos Médicos, sucateamento que começou na gestão João Doria e segue com Bruno Covas (PSDB), pode ser um indicativo de privatização do setor
SINDSEP
Ato Sindsep

Sindsep denuncia que os hospitais estão sem condições de atendimento e os poucos trabalhadores estão adoecendo

São Paulo – Trabalhadores e usuários do serviço público de saúde na cidade de São Paulo realizaram ato nesta quinta-feira (14), em São Paulo, contra problemas considerados graves no setor. Eles exigem que a gestão de Bruno Covas (PSDB) atenda, imediatamente, a decisão do Ministério Público (MP-SP) e reabra as unidades fechadas, recontrate os funcionários e dê condições de atendimento.

Segundo os manifestantes, já foram várias tentativas de diálogo com a prefeitura, mas até agora nada foi resolvido. A saúde "continua um caos" e os trabalhadores do setor querem uma agenda, junto ao Conselho Municipal de Saúde, para que o poder público dê uma resposta para as questões sérias que a saúde enfrenta.

Ainda na quinta, a prefeitura divulgou nota afirmando que as determinações do MP serão atendidas.

"O governo (do ex-prefeito João Doria) veio com uma proposta de fechar 108 unidades de saúde na cidade de São Paulo. Nós estamos num momento de crise onde a população está perdendo a sua condição de manter um plano de saúde. No momento em que a demanda cresce, o governo está fechando unidade", critica Lourdes Estevam, secretária do Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindsep).

O sindicato também denuncia que os hospitais estão sem condições de atendimento e os poucos trabalhadores estão adoecendo. "Eles estão pedindo um basta nessa situação. O Samu está em frangalhos, nem o pessoal da vigilância sanitária consegue trabalhar, porque não tem carro", diz o presidente do Sindsep, Sérgio Antiqueira.

Também faltam médicos – ainda segundo aquele sindicato –, medicamentos e estrutura para atender à população e as pessoas pobres são as que mais sofrem. Desempregada, Maria Aparecida do Camargo, depende da Unidade Básica de Saúde (UBS) do Jaçanã, na zona norte. "Passei ontem na clínica geral pedindo o encaminhamento a um dermatologista, mas eles disseram que não tem especialista lá. Pediram uns exames para ter mais ou menos o prognóstico. Quando fui marcar os exames, a atendente disse que não tinha laboratório", relata.

Enfermeira há 18 anos, Rosa Leite trabalha há quatro no pronto socorro do Tatuapé, na zona leste, e nunca viu a saúde tão precária na cidade de São Paulo. "Falta funcionários, acomodação para pacientes, medicações e até leitos. As salas de emergências muito lotadas", lamenta.

Para Julianna Salles, dirigente do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), o sucateamento da saúde pode ser um indicativo de privatização do setor. "Desde a nova gestão do município, os estabelecimentos de saúde são fechados ou precarizados. O intuito é claro: a entrega para a iniciativa privada e terceirização dos médicos. Estamos numa situação absurda, além de sobrevivência dos profissionais, mas de vida e morte da população", acrescenta.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT: