Você está aqui: Página Inicial / Saúde e Ciência / 2015 / 05 / Petrobras recebe nos EUA prêmio por tecnologia em produção de petróleo

Estados Unidos

Petrobras recebe nos EUA prêmio por tecnologia em produção de petróleo

Exploração do pré-sal rendeu 'mais importante premiação que uma empresa' do setor pode receber, de instituição localizada em Houston, nos Estados Unidos, neste domingo
por Redação RBA publicado 04/05/2015 14h59
Exploração do pré-sal rendeu 'mais importante premiação que uma empresa' do setor pode receber, de instituição localizada em Houston, nos Estados Unidos, neste domingo
Divulgação
Plataforma_Petrobras

Estatal desenvolve tecnologias de ponta na procura e exploração de petróleo em áreas profundas no mar

São Paulo – A Petrobras recebeu na noite de ontem (3), em Houston, Estados Unidos, pela terceira vez, o prêmio OTC Distinguished Achievement Award for Companies, Organizations, and Institutions, como reconhecimento ao conjunto de tecnologias desenvolvidas para a produção de petróleo e gás natural na camada do pré-sal.

Em 1992, a companhia recebeu o prêmio por conquistas técnicas no desenvolvimento de sistemas de produção em águas profundas relacionadas ao campo de Marlim, na Bacia de Campos, no Rio de Janeiro. Em 2001, a premiação foi por avanços em tecnologias em projetos de águas profundas, no campo de Roncador, também em Campos.

A diretora de Exploração e Produção da Petrobras, Solange Guedes, estava em Houston para receber o “mais importante prêmio que uma empresa de petróleo pode receber na qualidade de operadora offshore”, segundo nota da empresa. “A exploração e produção do pré-sal tem sido uma missão desafiadora, que estamos desempenhando em estreita colaboração com nossos parceiros, com os fornecedores e com a comunidade técnica e científica. Este prêmio é resultado do trabalho conjunto, baseado em uma ampla rede de cooperação”, disse Solange na cerimônia.

Ela destacou ainda os desafios nas operações relacionadas ao pré-sal, que se localiza a 300 quilômetros da costa, em profundidade total de até 7 mil metros, após “espessa camada de sal”, onde não havia infraestrutura instalada na época da descoberta.

“Este cenário representava grande oportunidade para desenvolver tecnologias viabilizadoras junto com a indústria. Percebemos que seriam necessárias soluções inovadoras para extrair petróleo destes campos de maneira segura, rentável e ambientalmente sustentável”, afirmou.

Entre as tecnologias envolvidas na exploração do pré-sal, Solange citou a que permite que todo o dióxido de carbono produzido seja reinjetado, evitando a emissão de 1 milhão de toneladas de CO² na atmosfera.

registrado em: , , , ,