Você está aqui: Página Inicial / Saúde e Ciência / 2013 / 07 / Dilma tem até quinta para sancionar lei de atendimento a vítimas de violência sexual

SUS

Dilma tem até quinta para sancionar lei de atendimento a vítimas de violência sexual

Grupos católicos, espíritas e evangélicos querem veto a artigo que fala em fornecimento de informações sobre direitos legais das mulheres atingidas
por Luana Lourenço, da Agência Brasil publicado 28/07/2013 16h21, última modificação 29/07/2013 17h05
Grupos católicos, espíritas e evangélicos querem veto a artigo que fala em fornecimento de informações sobre direitos legais das mulheres atingidas
Marcha das Vadias Ouro Preto/Facebook
marcha das vadias ouro preto_facebook.jpg

Proposta de “profilaxia de gravidez” é considerada polêmica por entidades religiosas, que pedem vetos

Brasília – A presidenta Dilma Rousseff tem até a próxima quinta-feira (1°) para sancionar, com ou sem vetos, o Projeto de Lei 03/2013, que obriga os hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) a prestar atendimento emergencial e multidisciplinar às vítimas de violência sexual. A proposta foi aprovada pelo Senado no último dia 4 e aguarda sanção presidencial.

O texto diz que o atendimento deverá incluir o diagnóstico e tratamento de lesões, a realização de exames para doenças sexualmente transmissíveis e gravidez. Prevê também a preservação de materiais que possam ser coletados no exame médico legal. Além disso, a proposta trata da “profilaxia de gravidez”, ponto considerado polêmico por entidades religiosas, que tem se mobilizado para pedir vetos ao projeto.

Para organizações religiosas, o termo pode estimular a realização de aborto na rede pública. Em documento apresentado ao governo, entidades como a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, a Federação Espírita Brasileira e o Fórum Evangélico Nacional de Ação Social pediram o veto parcial do projeto, com exclusão dos trechos que tratam da “profilaxia da gravidez” e do “fornecimento de informações às vítimas dos direitos legais e de todos os serviços sanitários disponíveis”.

O Ministério da Saúde diz que a “profilaxia da gravidez” se refere à utilização de contraceptivo de emergência – a chamada pílula do dia seguinte – que evita a fecundação. O contraceptivo não interrompe uma eventual gestação.

A lei considera violência sexual qualquer forma de atividade sexual não consentida pela vítima. O projeto garante atendimento a todas as vítimas de violência sexual, independente do sexo ou da idade da vítima.

Pelo texto, o paciente deverá receber no hospital o amparo psicológico necessário e o encaminhamento para o órgão de medicina legal e o devido registro de boletim de ocorrência. Os profissionais de saúde que fizerem o atendimento deverão facilitar o registro policial e repassar informações que podem ser úteis para a identificação do agressor e para a comprovação da violência sexual.