Você está aqui: Página Inicial / Saúde e Ciência / 2009 / 07 / Acordo pode dar mais qualidade a medicamentos brasileiros

Acordo pode dar mais qualidade a medicamentos brasileiros

Brasil obtém acesso aos estudos argentinos na área, podendo ter ganhos em estudos sobre matérias-primas e métodos de produção
por João Peres, da RBA publicado , última modificação 15/07/2009 11h00
Brasil obtém acesso aos estudos argentinos na área, podendo ter ganhos em estudos sobre matérias-primas e métodos de produção

Uma resolução recente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pode trazer ganhos a longo prazo para o consumidor brasileiro. A Anvisa reconheceu a Farmacopeia Argentina na lista aceita pela entidade, que tem também alguns países da Europa, Estados Unidos, Japão e México.

Farmacopeia é o compêndio oficial que estabelece os requisitos mínimos para a fabricação e o controle da qualidade de medicamentos utilizados no país, ou seja, que garante a qualidade dos remédios produzidos no Brasil. Por isso, poder utilizar a farmacopeia do país vizinho significa suprir eventual ausência de informações sobre matérias-primas e métodos.

Além disso, os dois países colocaram em prática o acordo para a troca de substâncias químicas de referência que, como o nome já diz, são os materiais usados como padrão para garantir a conformidade de insumos farmacêuticos e de medicamentos. A princípio, são dez substâncias trocadas para cada lado, aumentando o material disponível como referência de parte a parte.

Luiz Armando Erthal, diretor adjunto da Anvisa, destaca à Rede Brasil Atual que o “ganho mais importante é justamente a produção de medicamentos com mais qualidade. Se você dispõe de monografias para especialidades farmacêuticas, de substâncias químicas de referência e de métodos de análise validados pela farmacopéia brasileira, quer dizer que a produção de medicamentos pode se utilizar desses instrumentos para produzir com mais qualidade”.

A inclusão da Farmacopeia Argentina faz parte da revisão da Farmacopeia Brasileira. Erthal explica que há quatro versões aceitas atualmente e, com a ajuda de 14 universidades, a Anvisa está compilando o que existe em termos de monografias válidas em cada uma delas.

registrado em: , , ,