Você está aqui: Página Inicial / Revista do Brasil / Edição 44 / A solidariedade como resposta às catástrofes
Número 44, Fevereiro 2010

A solidariedade como resposta às catástrofes

Quando administradores públicos desrespeitam o planejamento e ignoram as consequências de seus atos, os efeitos das catástrofes naturais podem ser ainda piores para a humanidade
por Redação da RBA publicado , última modificação 05/02/2010 17:34
Comments
Quando administradores públicos desrespeitam o planejamento e ignoram as consequências de seus atos, os efeitos das catástrofes naturais podem ser ainda piores para a humanidade

Militares brasileiros distribuem água e alimentos a acampados em frente às ruínas do Palácio Nacional. (Foto: Marcello Casal Jr./ABr)

São Paulo - A edição de fevereiro da Revista do Brasil analisa como os terremotos da escravidão colonial e da servidão econômica contemporânea vinham destroçando a vida dos haitianos desde muito antes do cataclismo de 12 de janeiro.

Textos de Saul Leblon, Mauro Santayana e João Peres descrevem como opções por diferentes rumos nas bifurcações da história fizeram países com origens no mesmo DNA da colonização, da corrupção política, da exploração mercantil e da pobreza, como Haiti e Cuba, chegarem ao século 21 com realidades totalmente contrastantes.

A chamada de capa e o editorial da publicação "amarram" as semelhanças – guardadas as proporções – entre as tragédias naturais vividas por Porto Príncipe e as de muitas cidades brasileiras, como São Luiz do Paraitinga e Angra dos Reis, em que as catástrofes naturais foram potencializadas pela ausência de planejamento que culminou num modelo de ocupação e urbanizações inviável. E alertam para a construção de um pensamento humanista e solidário entre pessoas, governos e nações como essenciais para viabilizar um futuro diferente para o planeta.

Maurício Hashizume, da ONG Repórter Brasil, informa como o BNDES, a rede de supermercados Walmart e o mercado de ações reagiram à aparição da Cosan – dona dos postos Esso e das marcas de açúcar União e Da Barra – na "lista suja" do trabalho escravo. E Tadeu Breda levanta por que antigas rixas entre países vizinhos da América do Sul dificultam o avanço da integração no continente.

Confira também reportagem de Cida de Oliveira sobre o surpreendente grau de desinformação – das pessoas comuns e até de parte da classe médica – em torno dos acidentes vasculares cerebrais (AVC, ou derrame), uma das doenças que mais matam e incapacitam no Brasil.

Ainda nessa edição, a força e a longevidade do maracatu na cultura de Pernambuco e do país; as histórias do ex-zagueiro da seleção brasileira Luiz Pereira; e a mão certeira de Clint Eastwood ao levar para o cinema, com "Invictus", a incrível sensibilidade de Nelson Mandela em sua batalha contra a segregação racial na África do Sul pós-apartheid.

 

registrado em:
comentários do blog alimentados pelo Disqus