Você está aqui: Página Inicial / Revista do Brasil / Edição de Julho | 2017 / Na política de saúde da prefeitura, manobras, exageros e pouca realização
Número 130,

Seis meses de Doria

Na política de saúde da prefeitura, manobras, exageros e pouca realização

O prefeito de São Paulo utilizou de desinformação para anunciar que havia zerado filas de exames médicos e que atingiu estoque de medicamentos de 90%
por Redação RBA publicado 01/07/2017 11h28, última modificação 02/07/2017 11h08
O prefeito de São Paulo utilizou de desinformação para anunciar que havia zerado filas de exames médicos e que atingiu estoque de medicamentos de 90%
Hugo Nicolau Barbosa de Gusmão
mapas1farmacia.jpg

Distribuição de farmácias a ser extintas por toda a cidade, inclusive seus extremos; comerciais não chegam em zonas mais pobres

Os primeiros seis meses de gestão de João Doria (PSDB) na capital paulista foram marcados pelo marketing exagerado, pelo populismo e por poucos projetos efetivamente desenvolvidos. Na saúde, o prefeito de São Paulo escancarou manobras para amplificar as ações propostas.

Aceitou doação de medicamentos de grandes laboratórios – muitos deles já perto do vencimento, livrando-os do custo de descarte e desonerando impostos. Tamém anunciou o fim da fila de exames, em abril, apesar de ainda haver milhares de pessoas aguardando por procedimentos.

Leia também:

Neste vídeo, as "realizações" de Doria na gestão da saúde pública: