Você está aqui: Página Inicial / Revista do Brasil / Edição de fevereiro/2016 / O disco de vinil e os sentidos na ponta de uma agulha
Número 114,

música

O disco de vinil e os sentidos na ponta de uma agulha

A reconquista de público reafirma o lugar dos "bolachões" ao lado dos apaixonados por uma experiência musical completa
por Gabriel Valery publicado 21/02/2016 09h28, última modificação 23/02/2016 18h13
A reconquista de público reafirma o lugar dos "bolachões" ao lado dos apaixonados por uma experiência musical completa
GERARDO LAZZARI/RBA
vinil_abre_materia_foto_gerardo_lazzari_rba.jpg


No final dos anos 1940, nos Estados Unidos, uma novidade chegava ao universo da música: os discos de 33 rotações, de vinil, mais leves que os antigos 78, de acetato, e com mais qualidade sonora. Um som marcado para sempre pelo chiado nas caixas acústicas, enquanto a agulha desliza firme na ranhura. “Som com textura”, defendem os entusiastas do disco de vinil, que a partir da década de 1980 perdeu espaço para outras mídias. Mas estatísticas recentes apontam para significativo crescimento nas vendas, trazendo as velhas “bolachas” de volta. No mercado norte-americano, já representam 9% de todas as vendas de mídias físicas. O restante fica por conta dos compact discs, os CDs, que vêm observando quedas vertiginosas em suas vendas. O vinil resistiu.

Para muitos apreciadores, a audição dos discos ultrapassa a relação com a música. Os sons deixam de ser complemento a alguma atividade, ou uma trilha sonora enquanto se passeia ou viaja. Com o vinil, defendem, ouvir música assume outra importância no momento da execução, um ritual que começa a partir do gesto simples de mover o “braço” da vitrola em direção ao LP (iniciais de Long Play, como os discos foram batizados em 1948). A cerimônia envolve outros sentidos e se completa com a arte da capa, o encarte, a descoberta dos lados A e B, que não existem em um CD.

O operador de som Émerson da Costa Ramos, da Rádio Brasil Atual, ajuda a entender a qualidade sonora, reivindicada pelos defensores do vinil. “Fisicamente, na hora em que você coloca a agulha, ela extrai a informação daquela ranhura para propagá-la até o módulo amplificador do toca-discos, e enfim para a caixa. No espectro sonoro, ele vai compreender todas as amplitudes do som. Isso significa que graves, médios e todas as coisas que o ouvido, por vezes, não pode captar são sentidas pelo corpo”, descreve.

O DJ e produtor musical Felipe Del Pezzo concorda. “Mesmo nos discos novos tudo sempre vai ser digital. Porém, com amplificadores em estúdios modernos, ao prensar o disco, ao garantir a textura para ele, isso ganha qualidade e amplitude sonora, transmitida via agulha”, afirma. A diferença aparece: “Não é a mesma coisa do que um CD. Isso é nítido”. Del Pezzo ressalva a importância da qualidade da agulha, do amplificador como essencial para definir essa nitidez, e transmitir o som para as caixas com mais fidelidade. Mesmo transformando algo físico (a textura do disco) em algo eletrônico após a captação pela agulha, a riqueza de sons – graves e agudos – é maior, se captada em um bom aparelho, com boas caixas.

Além do fator sonoro, a criação artística envolvida em um disco é um diferencial. O formato da mídia exige preocupação estética com os desenhos das capas e dos encartes. Muitos entraram para a história. Dificilmente alguém ligado à música não reproduz instantaneamente em sua memória o prisma da capa do álbum The Dark Side of the Moon, do grupo Pink Floyd (1973). Ou mesmo os quatro homens de Liverpool atravessando a Abbey Road na capa do disco homônimo dos Beatles (1969).

As capas, como os cartazes de cinema, ganharam ar independente de obras de arte. O artista plástico Andy Warhol, papa da contracultura, chegou a desenhar uma de suas gravuras mais famosas – uma banana – na capa de Velvet Underground & Nico, da banda de mesmo nome. É possível que tenha assim contribuído para eternizar o álbum, de 1967, entre os mais míticos do rock. A capa do primeiro LP do grupo Secos & Molhados, em 1973, está entre as melhores da história, com suas cabeças pintadas servidas à mesa relembrando a antropofagia modernista.

Nesta época, já havia departamentos de criação gráfica voltados para discos. Capas viraram parte fundamental do produto. Em seu livro Do Vinil ao Download, André Midani afirma que as primeiras capas de discos brasileiros eram “monstruosas de feias”. Isso começou a mudar na segunda metade dos anos 1950: o executivo cita capas como as dos discos Caymmi e o Mar (1957) e o clássico Chega de Saudade, de João Gilberto (1958), entre outras.capas_discos_foto_divulgacao.jpg

Com a chegada dos CDs na década de 1980, a produção dos LPs, começou a virar coisa do passado. Vitrolas passaram a se tornar escassas, assim como sua manutenção. As mídias se tornaram menores, as músicas tiveram a amplitude de suas ondas espremidas em arquivos digitais. O popular MP3, por exemplo, causa discórdia. “O algoritmo de compressão mais conhecido, o MP3, exclui tudo o que o ouvido não capta. Geralmente, quem é mais ligado a música odeia a compressão pela perda de detalhes”, diz o operador de som Émerson.

Contudo, é notável a expansão contínua das mídias digitais. De acordo com dados de uma pesquisa da empresa de informação global Nielsen, feita em julho de 2014, nos Estados Unidos, até igual mês de 2015, o serviço de música por streaming teve aumento de 92,4% nas reproduções. Nesse modelo, o ouvinte não possui as músicas nem sequer em um arquivo – um servidor armazena determinadas composições, e o consumidor o acessa remotamente via internet. Para exemplificar, é possível citar o Youtube, o Deezer, o Spotfy, entre outros, alguns gratuitos, outros pagos. Já as vendas de discos cresceram a ordem de 38%. É algo a se levar em conta, visto que houve queda de 10% nas vendas dos CD no mesmo período.

No Brasil, a Associação Brasileira de Produtores de Discos (ABPD) não contabiliza as vendas de discos de vinil em seus relatórios. Para a entidade, as vendas ainda são pequenas comparadas ao mercado de CDs e – especialmente – o streaming. “As vendas estão crescendo nos últimos anos, mas ainda são pequenas comparadas com o mercado de CD e streaming. Não acho que chegarão a ser expressivas”, acredita Edna Calheiros, assessora da associação, para quem o espaço do digital manterá o crescimento.

A única fábrica de discos da América Latina, a Polysom, sediada no Rio de Janeiro desde 2009, fruto de aquisições, ainda na década de 1990, de máquinas adquiridas das antigas Polygram e Continental, aposta na ampliação dos lançamentos. Para seu fundador, João Augusto, apesar de vantagens como a portabilidade e maior capacidade de armazenagem dos meios digitais, os discos possuem seu espaço pela “experiência tátil, visual e auditiva”. Eis novamente os sentidos a fazer com que, na visão de João Augusto, o vinil se torne “um objeto de desejo”.

Augusto reforça opinião do operador de som da Rádio Brasil Atual, e diz que, “basicamente, o som do vinil tem mais profundidade, além das possibilidades gráficas das capas”. Apesar dos maiores gastos, o empreendedor da Polysom aposta na ampliação do mercado. “A música ganha níveis tão elevados que até um dinheiro a mais passa a valer a pena”, afirma. Mesmo com a recente ascensão e retomada do mercado, o espaço das “bolachas” sempre esteve garantido ao lado dos saudosos colecionadores.

GERARDO LAZZARI/RBA felipe_dj_foto_gerardo_lazzari_rba.jpg
Felipe com a família: opção pelo vinil veio da essência da cultura

Filho de Felipe Del Pezzo, Lorenzo, de apenas 1 ano, começa a criar sua identidade sensorial a partir da música. Cercado de instrumentos e aparelhos sonoros, o pequeno sorri quando o som toma conta do ambiente. Para ele, a música parece ser natural e confortável, talvez por ter aprendido isso com seus pais. Felipe conta que sua conexão com a música começou cedo. “Sempre tive essa ligação. Meu pai toca teclado desde os 6 anos. Então, vem de berço.” Tal identidade levou o DJ a iniciar uma coleção com a mãe de Lorenzo, Marta Roldan, com 300 álbuns de rock, disco music, jazz, música clássica e MPB. “Minha opção pelo vinil veio da essência da cultura. A qualidade, a capa. Sempre digo que quem coleciona está preservando a cultura”, diz, nostálgico de épocas que não viveu.

Felipe é de outra geração. Tem 28 anos. Nascido em 1987, nem de longe viveu o auge do vinil. Mas sabe do que está falando, ao lembrar a trajetória do disco nos anos 1960. “Se observar a história dele, o músico tinha apenas um rolo para gravar e passar para o disco. Ele não podia errar. É um grande trabalho”, afirma. Hoje, o casal colecionador passa horas livres mantendo viva essa história, passada adiante para Lorenzo, que apesar de pronunciar poucas palavras já sente os efeitos da música.
____________________________

O primeiro bolachão não se esquece

Com 10 mil discos na estante, Zuza é enfático ao falar sobre a qualidade dos LPs. E destaca também o “lado lúdico” do disco

JAILTON GARCIA/RBA zuza_foto_Jailton_Garcia_rba.jpg
Zuza e sua coleção de 10 mil discos: ferramenta de trabalho

O pesquisador e escritor Zuza Homem de Mello lembra bem do dia em que comprou o seu primeiro LP, nos anos 1950. Foi na antiga loja Sears, onde hoje funciona um shopping center, no bairro do Paraíso, zona sul de São Paulo. “Eu morava a meia quadra. No subsolo tinha uma loja de discos.” E o disco era Sinfonia do Rio de Janeiro, um 10 polegadas, com regência do maestro Radamés Gnatalli. Mas Zuza demorou a ouvir. “Eu não tinha o player ainda”, conta.

Esse disco não faz mais parte da coleção de 10 mil que ele preserva em sua casa. Com as mudanças de endereço, a obra de Tom Jobim e Billy Blanco se perdeu, mas Zuza preserva ainda muitos trabalhos da fase inicial do LP. E é enfático. “O vinil é comprovadamente o que tem melhor qualidade sonora entre todas as modalidades que surgiram na gravação. É infinitamente superior ao 78 rotações, ao CD e também ao MP3. Isso é comprovado.”

Ele explica: há alguns anos, o escritor participou de uma prova, com outros convidados, ouvindo canções de diferentes gêneros e em modalidades diversas, sem saber a origem do som. Todos atestaram que o vinil tinha mais qualidade. “O que é preciso considerar é que o LP sofre o desgaste físico quando usado”, lembra, acrescentando que uma boa manutenção garante a longevidade.

“O LP possibilitou a criação de uma arte, que é a arte da capa, que não existia no 78 e morreu com os CDs. Começa basicamente nos anos 50 e vai até 1982. Ou seja, mais de 30 anos de domínio absoluto e de evolução”, afirma Zuza, dando como exemplos, além da capa, a passagem do 10 para o 12 polegadas e do som mono para o estereofônico.

Discos são sua ferramenta de trabalho. Em dezembro, por exemplo, ele estava debruçado sobre boleros, ouvindo obras de Elvira Rios e Pedro Vargas, entre outros, para um capítulo de um livro sobre samba-canção. Mas Zuza também gosta de simplesmente manuseá-los.

“O LP tem esse lado lúdico, que também foi perdido com o CD. Você fica admirando a capa, lendo o texto da contracapa. É quase um contrassenso aquela coisa miúda (referindo-se aos CDs), parece coisa de anãozinho. É ridículo comparar. Tem encartes de LP que eram verdadeiros pôsteres, obras de arte.”

Para ele, esse “retorno” do LP pode ser atribuído, em parte, ao universo dos DJs, que usam o disco, em parte a saudosismo. E é para ficar.

“Alguns empresários buscaram máquinas que estavam encostadas, os discos voltaram a ser fabricados. Com isso, deixa de ser modismo e passa a ser uma vertente. Quem compra um LP é porque tem picape. E as fábricas voltaram a fabricar picapes. Esse movimento na indústria não é à toa. Acho que isso tende a permanecer”, diz, avisando que seguirá saboreando seus vinis. “O que eu tenho em casa de LP que não saiu em CD e nunca sairá é uma preciosidade”, afirma o pesquisador, pensando em Duke Ellington.

Por Vitor Nuzzi
___________________________________

Coleção e manutenção

Nos últimos anos, lojas de departamentos vêm assimilando a presença do vinil no mercado e oferecendo novos aparelhos com toca-discos. Alguns mesclam MP3, múltiplos CDs e vinil, mas podem apresentar mau funcionamento. O preço de um disco novo gira em torno dos R$ 70, podendo alcançar até R$ 300 em edições limitadas.

Uma das marcas de aparelhos clássicos, reconhecida pela qualidade, a Technics, vai retomar a produção de vitrolas. A parceria com a Panasonic foi divulgada no ano passado, com os dizeres: “O tempo passou, você cresceu, mas a profunda paixão continua em você”.

Picapes profissionais, utilizadas por Djs, podem chegar a R$ 10 mil. Mas é possível encontrar aparelhos usados, ou até mesmo consertar algum que esteja no fundo do armário. A Rua dos Andradas, na região da Santa Ifigênia, centro de São Paulo, concentra um número considerável de lojas de aparelhos antigos que também realizam manutenção técnica.

Já comprar discos é tarefa mais fácil. Apesar do aumento nos valores das “bolachas” nos últimos anos, garimpar em sebos pode render achados. No centro, há uma concentração de lojas com LPs selecionados e alta qualidade. Muitos sebos ainda compram discos usados, e os valores variam conforme a raridade e qualidade. Para quem deseja começar, ampliar a sua coleção ou comprar um bom toca-discos, a reportagem selecionou algumas opções, em São Paulo (todas na região central) e outras cidades.


São Paulo

Vitrolas

Audio Line Rua dos Andradas, 433, Santa Ifigênia. Com um grande número de vitrolas antigas e boas opções para caixas de som. Os valores começam a partir de R$ 400, por um toca-discos funcionando e já com agulha.

J&J Áudio e Vídeo Rua dos Gusmões, 282, esquina com Rua dos Andradas. Vende aparelhos de R$ 850 até profissionais, ou com design mais rebuscado, por R$ 5.500 e faz manutenção geral de vitrolas.

Catodi, Casa dos Toca Discos Rua Santa Ifigênia, 398. Serviços em assistência técnica, venda de peças, como agulhas, que variam de R$ 50 a R$ 150. A loja ainda oferece vitrolas novas importadas e modelos reformados.

Discos

Big Papa Records Galeria Nova Barão, loja 30, Rua 7 de Abril, 154, República. O segundo andar da galeria é repleto de lojas com discos selecionados. A Big Papa, por exemplo, é especializada em jazz, black e rock.

Baratos e Afins Galeria do Rock, lojas 314 e 318, Avenida São João, 439. Fundada em 1978, é uma das lojas mais tradicionais da cidade. Funciona também como produtora independente, parceria do dono Luiz Calanca com o ex-Mutantes Arnaldo Baptista.

Casarão do Vinil Rua dos Trilhos, 1.219, Mooca. Ao lado do centro, a casa acaba de promover discos de vinil icônicos do rock nacional que completaram 30 anos em 2015, como Cazuza, Ira!, Kid Abelha, Titãs. O espaço informa ter mais de 700 mil discos de vinil em acervo.

Extreme Noise Discos Galeria Nova Barão, loja 36. Coleciona raridades, com forte no hardcore, punk, trash, grindcore, noise, entre outros gêneros mais barulhentos.

Garimpo Cultural Galeria Nova Barão, loja 35. Com grande coleção de discos, ótimo lugar para garimpar, além de discos, livros e quadrinhos.

Sebo do Messias Praça João Mendes, 140, centro. Aberto desde 1970, este sebo se vangloria de ser o maior da capital. Com grande acervo de livros, as páginas dividem o espaço com discos variados, alguns raros e de qualidade para quem gosta de garimpar.


Outras cidades

Curitiba
O blog De Volta para o Vinil oferece um ampla lista com mais de 30 pontos de venda de discos, uma dezena de casas de peças e manutenção de aparelhos e até do bom e velho plástico para proteger o bolachão.

Rio de Janeiro
O engenheiro de softwares Cristiano Grimaldi, que se define como “colecionador aficcionado” de discos, elaborou uma lista de 19 pontos de venda na capital fluminense, dos mais diversos gêneros.

Belo Horizonte
O site Bazar em BH tem um seção de indicações de lojas e sebos que trabalham com os mais diversos estilos musicais, predominantemente antigos e usados. A página é repleta de links de anúncios no decorrer do texto que atrasam a vida do leitor. Melhor passar batido pelos links e ir direto à lista de lojas.

Brasília
A Musical Center tem acervo de 8 mil discos (215 norte, bloco C, loja 34, 61 3274-0763). A Acervo, também na Asa Norte (215N, bloco B, loja 9, 61 3033-7808) trabalha com raridades, inclusive de bandas do DF. Lojas da Livraria Cultura dos shoppings Casapark (Guará) e Iguatemi (Lago Norte) têm lançamentos. A Pro Vinil (Setor de Diversões Sul, Edifício Miguel Badya, loja 35, 61 3224-3599) é especializada em hip hop e rap.

Recife
O site do Diário de Pernambuco tem uma lista detalhada com uma dezena de lojas que trabalham com antigos, raridade e lançamentos.