Você está aqui: Página Inicial / Revista do Brasil / Edição de novembro / Da Revolução dos Boys ao cineclubismo, do bairro ao mundo
Número 101,

Atitude

Da Revolução dos Boys ao cineclubismo, do bairro ao mundo

Do trabalho lúdico com crianças nas periferias às biografias de Mandela e Malcom X, Jeosafá Gonçalves tornou-se um homem de palavras e ações
por Cida de Oliveira publicado 16/11/2014 16h29
Do trabalho lúdico com crianças nas periferias às biografias de Mandela e Malcom X, Jeosafá Gonçalves tornou-se um homem de palavras e ações
Marcia Minillo/rba
Jeosafá Gonçalves

O escritor Jeosafá Fernandez Gonçalves, autor de poesia, ficção e obras didáticas relacionadas à literatura

No começo daquela tarde de setembro de 1979, enquanto bancários se reuniam em assembleia no pátio da Faculdade de Direito da USP, no Largo São Francisco, para discutir o fracasso das negociações com os bancos, office-boys se concentraram na rua Boa Vista, no centro financeiro paulistano, e saíram gritando palavras de ordem contra a Polícia Militar e os fura-greves, numa manifestação sem alvo definido.

A polícia tentou dispersá-los, o que só fez aumentar a confusão, que se transformou em passeata e em um quebra- quebra que transtornou o coração da cidade, como escreveria o jornalista Gilberto Lobato Vasconcelos, o Giba, em seu livro Revolução dos Boys. Imortalizados na música de Kid Vinil, os boys eram jovens com idade entre 14 e 16 anos, que faziam principalmente o serviço nos bancos, porém, geralmente a pé, para usar o dinheiro da condução em lanches ou fichas de fliperama.

Sem entender nada, me dei conta de que eu estava no meio do confronto entre policiais e bancários, solidários aos meninos. Assustado, fui protegido por alguns deles, que me levaram para dentro de um escritório no quinto andar de um prédio na rua 7 de Abril, de onde eram atirados diversos objetos e cestos de lixo sobre a polícia”, lembra o escritor e blogueiro Jeosafá Fernandez Gonçalves, 50 anos, autor de poesia, ficção e obras didáticas relacionadas à literatura e à língua portuguesa. Na época, um office-boy de 14 anos. “Como ninguém na minha família sabia que era preciso fazer vestibulinho para conseguir vaga no colegial, fiquei sem estudar naquele ano e fui trabalhar.”

O contato inesperado com um movimento de adolescentes habituados a jogar bola numa praça próxima à Galeria Metrópole, também no centro de São Paulo, atrapalhando quem almoçava por ali, derrubou a ficha de Jeosafá. Logo passou a participar de passeatas, como a dos trabalhadores do Moinho São Jorge, na Avenida Paulista. O menino pobre da Vila Ede, na periferia da zona norte, que foi entregador de jornal e funcionário de granja, se deu conta dos resquícios da ditadura em pleno processo de redemocratização do país – “Lento, gradual e seguro”, como diziam os militares.

A aproximação com bancários descortinou o até então desconhecido mundo dos cineclubes – ajudou a organizar o do Bixiga, no bairro da Bela Vista –, a consciência política e a militância por meio de trabalhos culturais nas periferias pobres, como reunir a criançada para comer pipoca enquanto contava histórias, ou no trabalho em mutirões para a construção de casas populares, coordenados pela então líder comunitária Luiza Erundina.

A base cultural do contato com realidades tão diversas e pessoas tão interessantes, como conta, permitiu o sucesso no vestibular e o ingresso, aos 26 anos, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. O mestrado na mesma instituição, convertido em doutorado pelo desempenho e interesse da linha de pesquisa em estudos comparados de literatura de língua portuguesa, com especialização em relações Brasil-África, abriu as portas de muitas escolas. Foram 16 anos como professor do ensino básico nas redes pública e particular, chegando a dirigir algumas, como a da antiga Febem, na avenida Celso Garcia, e outros 11 anos em faculdades.

Ao mesmo tempo em que lia para crianças, percorria a cidade ouvindo garis, feirantes, frentistas, prostitutas, trombadinhas, cabeleireiras e quem mais quisesse contar suas histórias. Todas essas tragédias e glórias, mais um trabalho de pesquisa bibliográfica e de imagens, compõem a série Era uma vez em meu bairro, com volumes sobre as zona norte, sul, leste e oeste. A zona central está em fase de pesquisa.

Jeosafá é também autor de O Jovem Mandela, única obra em língua portuguesa sobre a vida do líder sul-africano, morto há quase um ano. Ele mistura ficção e realidade para dar corpo às angústias e às ações de um jovem que mais tarde seria um dos mais importantes personagens da história contemporânea mundial, por sua luta contra o regime de segregação racial na África do Sul.

O livro é um passeio pelo sertão africano, pelas minas de diamante mais profundas do mundo e suas péssimas condições de vida e trabalho, pela miséria das favelas de Johannesburgo e pela opressão aos negros e de origem indiana que levaram Nelson Mandela a optar pelos riscos da luta contra o apartheid, deixando de lado a zona de conforto de uma vida alienada. Jeosafá dedica-se agora a contar a história de outro jovem que marcaria a história: o líder negro norte-americano Malcom X. Em maio de 2015, serão lembrados os 90 anos do seu nascimento e, em fevereiro, os 50 anos de seu assassinato. “Seu sobrenome, Little, foi substituído por X durante seu tempo na prisão, numa forma de protesto contra a perda do nome original, africano, por seus antepassados quando escravizados”, conta o autor.

Radical opositor da violência racial e da injustiça social nos Estados Unidos, Malcom X esteve muito próximo de lideranças políticas como Fidel Castro, o chinês Mao Tse Tung e o presidente egípcio Gamal Abdel Nasser, que entre outras coisas nacionalizou o Canal de Suez. O líder negro, que pregava a independência econômica e a criação de um estado autônomo para os negros, foi assassinado aos 40 anos, no auge de sua potência física e intelectual. Até agora, sua história não foi contada por autor de língua portuguesa. Jeosafá Fernandez Gonçalves está preenchendo essa lacuna.