Você está aqui: Página Inicial / Política / 2018 / 06 / Ex-secretário de Alckmin é preso por suspeita de superfaturamento no Rodoanel

Pedra no caminho

Ex-secretário de Alckmin é preso por suspeita de superfaturamento no Rodoanel

Contratos garantiram sobrepreço de até 1.223% em serviços de escavação e remoção de rochas, de acordo com investigação do TCU e da CGU. Outros 14 foram detidos provisoriamente
por Redação RBA publicado 21/06/2018 13h34
Contratos garantiram sobrepreço de até 1.223% em serviços de escavação e remoção de rochas, de acordo com investigação do TCU e da CGU. Outros 14 foram detidos provisoriamente
Eduardo Saraiva/GOVSP
Rodoanel

Laurence Casagrande, à esquerda de Alckmin, foi preso preventivamente na operação Pedra no Caminho

São Paulo – Ex-secretário de Logística e Transportes e ex-presidente do Dersa durante o governo Alckmin, Laurence Casagrande Lourenço foi preso temporariamente nesta quinta-feira (21) pela operação Pedra no Caminho, da Polícia Federal, que investiga superfaturamento de mais de R$ 600 milhões em obras do trecho norte do Rodoanel em São Paulo. Atualmente, Lourenço é presidente da Companhia Energética de São Paulo (Cesp).

Ao todo, são 15 mandados de prisão temporária e 51 mandados de busca e apreensão, que têm como alvos ex-diretores da Dersa e executivos das construtoras OAS e Mendes Junior que atuaram na obra. As investigações começaram em 2016, após um ex-funcionário de uma das construtoras denunciar manipulações em aditivos indevidos ao contrato da obra, de forma a aumentar o valor pago às empreiteiras. 

Os aditivos garantiam, por exemplo, recursos para serviços de remoção de rochas que já constavam no projeto inicial. Investigação do Tribunal de Contas da União (TCU) e da Controladoria-Geral da União (CGU), que basearam as ações desta quinta-feira (21), apontam que, em apenas um dos lotes da obra, o aditivo para remoção de rochas alcançava R$ 33 milhões.

Outros serviços como escavação, estrutura de túneis, carga e desmonte de argamassa nos cinco lotes das obras do trecho norte do Rodoanel teriam atingido sobrepreço de até 1.223%. Os acusados vão responder pelos crimes de fraude à licitação, estelionato contra o poder público, falsidade ideológica e associação criminosa, conforme as suas participações.