Você está aqui: Página Inicial / Política / 2018 / 04 / 'Washington Post': prisão de Lula deve 'estimular amplos protestos' no país

repercussão

'Washington Post': prisão de Lula deve 'estimular amplos protestos' no país

Maior parte das matérias publicadas na imprensa internacional ressalta possibilidade de aumento da crise política, a personalidade carismática do ex-presidente e o julgamento do STF
por Redação RBA publicado 05/04/2018 23h09, última modificação 06/04/2018 00h16
Maior parte das matérias publicadas na imprensa internacional ressalta possibilidade de aumento da crise política, a personalidade carismática do ex-presidente e o julgamento do STF
reprodução
prisao de lula no washpost.jpg

Washington Post: atitude surpreendente que deve estimular protestos em um país já balançado pela decisão do STF

Brasília – A prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é tema que mantém o mundo voltado para o Brasil. Veículos da imprensa dos Estados Unidos, Rússia, Inglaterra, França, Espanha e Argentina, além de várias agências de notícias, divulgaram a informação assim que saiu o mandado de prisão pelo juiz Sérgio Moro. A maior parte das matérias destaca Lula como “maior líder político do Brasil”, afirma que as eleições  ficam “em aberto” com a prisão dele e que o ato decretado nesta quinta-feira (5) por Moro “colocou o país num caos político”, conforme título do jornal americano Washington Post.

O Post, um dos primeiros a divulgar a notícia, chama a iniciativa de Moro de apressar o mandado de prisão do ex-presidente de “atitude surpreendente que deve estimular amplos protestos em um país já balançado pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) mais cedo”. O jornal lembra que se credita a Lula o fato de “ter retirado 20 milhões da pobreza durante seus oito anos como presidente”.

A revista Forbes diz que o Brasil é “a terra dos recursos judiciais” e ressalta que com prisão, a chance do ex-presidente disputar um terceiro mandato agora se reduz a zero.

Ainda nos Estados Unidos, o The New York Times divulgou matéria com o título “Lula pode ser preso”, enquanto a rede de TV norte-americana CNN veiculou noticia na manchete, na qual afirma que “o ex-presidente do Brasil é condenado a ir para a cadeia”. O texto ressalta o julgamento do STF e está ilustrado com uma foto de Lula ao lado do cubano Fidel Castro.

No Reino Unido, a agência Reuters saiu na frente na veiculação da notícia, ao publicar matéria afirmando que o juiz ordenou que Lula seja preso até as 17h desta sexta-feira (6).

Da mesma forma, o Le Monde, da França, abriu espaço na capa para a notícia, onde destaca que Lula, “condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção”, é “ícone da esquerda brasileira”. O Le Monde ressalta, ainda, que Lula é “o personagem político mais popular do Brasil” e acrescenta que nunca o país ficou tão dividido em relação a um político.

Na Inglaterra, o Financial Times incluiu, na matéria sobre o mandado de prisão, trechos traduzidos da ordem judicial expedida por Sergio Moro. Enquanto o The Guardian destacou o motivo da prisão de Lula em reportagem com destaque na capa, na qual afirma que o mandado de prisão marcou o que chama de “virada extraordinária de eventos para o político mais popular do Brasil”.

Na Espanha, o El País criou um link de urgência no alto de sua página para texto cujo título é “Juiz ordena a imediata entrada na prisão do presidente brasileiro Lula da Silva”.

A notícia ganhou, ainda, a primeira página do La Nacion, na Argentina, o Russian Today, na Rússia, e o Corriere Della Sera, na Itália.