Você está aqui: Página Inicial / Política / 2018 / 04 / Carol Proner: Cármen Lúcia não foi 'serena' ao conduzir a pauta do STF

habeas corpus de Lula

Carol Proner: Cármen Lúcia não foi 'serena' ao conduzir a pauta do STF

"Essa situação gera uma instabilidade institucional gravíssima e o único jeito de superar isso é que amanhã tenhamos a confirmação de que o que vale é a Constituição", diz professora da UFRJ
por Redação RBA publicado 03/04/2018 14h55, última modificação 03/04/2018 16h17
"Essa situação gera uma instabilidade institucional gravíssima e o único jeito de superar isso é que amanhã tenhamos a confirmação de que o que vale é a Constituição", diz professora da UFRJ
Reprodução/TVT e STF
stf.jpg

Para Carol Proner, Cármen Lúcia tem responsabilidade pela possível falta de serenidade no cenário atual

São Paulo – O Supremo Tribunal Federal (STF) julga nesta quarta-feira (4) habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, decidindo se ele poderá ser preso ou não após sua condenação em segunda instância. Para a doutora em Direito e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Carol Proner, se o pedido for negado haverá um retrocesso constitucional.

De acordo com a integrante da Frente Brasil de Juristas pela Democracia, a Constituição Federal garante o respeito à presunção de inocência. "A proteção constitucional diz que a execução da pena só pode ser iniciada a partir do trânsito em julgado de sentença penal condenatória, todos os recursos têm que ser esgotados para que se possa, via de regra, aplicar a sentença", explica, em entrevista aos jornalistas Marilu Cabañas e Glauco Faria, na Rádio Brasil Atual.

"Tendo em vista a demora da Justiça do Brasil, a opinião pública acredita que criaria uma sensação de que a pessoa nunca seria julgada e teríamos uma situação de impunidade. Isso não se confirma, pois dados da Defensoria Pública mostram um grande número de reversões entre julgamentos do segundo grau e de instância superior", diz a jurista. "A decisão está colocada em uma categoria política de combate à corrupção, quando, na verdade, vai afetar milhares de pessoas desfavorecidas pela dinâmica social de injustiça. É uma situação que não está colocada da melhor forma possível."

Para Carol, "não vivemos tempos normais para nenhum dos poderes da República". "Vivemos tempos de anormalidade institucional e de crise democrática, esse é o pressuposto da análise. No Judiciário, quando a gente olha o comportamento de ministros se pronunciando sobre processos antes da hora, para a imprensa diretamente, também percebemos um comportamento anômalo das instituições."

Questionada sobre o pronunciamento da presidenta do Supremo na noite desta segunda (2), no qual pediu "serenidade" contra a "desordem social", a professora diz que parte do cenário atual decorre da própria postura de Cármen Lúcia, que se recusou a pautar o julgamento das Ações Diretas de Constitucionalidade (ADIs) 43 e 44, que tratam da prisão em segunda instância.

"As ações diretas de constitucionalidade vêm do final de 2017, poderíamos ter evitado esse desgaste que estamos tendo nesta semana a respeito desse caso, que acaba sendo contaminado pelo casuísmo. A posição da Suprema Corte conduzida pela própria presidente que agora pede serenidade, na minha opinião, não foi serena porque poderia ter colocado em discussão algo que não é pacífico na Suprema Corte e que afeta milhares de pessoas", aponta. "Serenidade deveria começar pela própria conduta da presidente do Supremo."

A professora acredita em uma decisão no STF que confirme o respeito ao princípio da presunção de inocência. "Essa situação gera uma instabilidade institucional gravíssima e o único jeito de superar isso é que amanhã tenhamos a confirmação de que o que vale é a Constituição, a confirmação de que os direitos e garantias fundamentais do artigo 5º não serão tocados, revogados, e que a partir daí possamos começar a discutir outras coisas, como qual é a responsabilidade, por exemplo, da mídia e dos procedimentos institucionais em um processo antecipado de culpabilização de réus e acusados."

Ouça: