Você está aqui: Página Inicial / Política / 2018 / 01 / Datafolha: nenhum candidato do PSDB empolga

Eleições 2018

Datafolha: nenhum candidato do PSDB empolga

Pesquisa mostra Alckmin, amplamente conhecido pelo eleitorado, chegando a apenas 1% de citações espontâneas e empatando com Bolsonaro no segundo turno. Doria empata tecnicamente com Collor
por Glauco Faria, para a RBA publicado 31/01/2018 17h37
Pesquisa mostra Alckmin, amplamente conhecido pelo eleitorado, chegando a apenas 1% de citações espontâneas e empatando com Bolsonaro no segundo turno. Doria empata tecnicamente com Collor
Gilberto Marques/A2img
PSDB

Alckmin terá trabalho para sair de um dos patamates mais baixos de tucanos nesse período em ano eleitoral

São Paulo O levantamento divulgado pelo Instituto Datafolha nesta quarta-feira (31) traz não só a liderança da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, praticamente intacta mesmo após a condenação pelo TRF4, como também o fato de que, com ou sem o petista no cenário, a missão do PSDB de retornar à Presidência da República não será das mais triviais.

Aos números: o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, tem 1% de intenções de voto espontâneas no levantamento, mesmo patamar do senador paranaense Álvaro Dias (Podemos) e muito distante de Lula (PT, 17%) e Jair Bolsonaro (PSC-RJ, 10%), atrás numericamente também de Ciro Gomes (PDT, 2%). Embora o portal UOL tenha dado como título em sua home "Com 11%, Alckmin se diz otimista", o tucano só atinge esse índice em um dos sete cenários avaliados na pesquisa. Aquele em que nem Lula e nem Marina Silva (Rede) concorrem. Ainda assim, fica atrás de Ciro Gomes, que tem 12% nessa simulação, e de Bolsonaro, com 19%.

Alckmin não só está no comando do estado mais populoso do país (pela quarta vez) como também já foi candidato a presidente, em 2006. Ou seja, não é um desconhecido. Sua fragilidade está justamente em se firmar como um postulante que consiga angariar os votos de centro.

Para efeito comparativo, vale colocar em paralelo o Alckmin de hoje com o Alckmin candidato em 2006. Em igual período do ano, em pesquisa realizada pelo Datafolha nos dias 1º e 2 de fevereiro, o tucano aparecia em dois dos três cenários com 21% e 20% dos votos, respectivamente. Lula, que se recuperava do impacto do mensalão, tinha 40% e 36%. Àquela altura, o peessedebista era conhecido por 71% do eleitorado, o que lhe dava margem para crescer.

Naquele ano, a disputa presidencial se resumia aos dois que foram para o segundo turno e Heloísa Helena (Psol) e Cristovam Buarque (PDT), ambos pouco competitivos. Hoje, a perspectiva é de que haja outros candidatos para disputar o almejado voto de centro por parte de Alckmin, como o próprio Lula ou outro candidato do PT, Ciro Gomes e Marina Silva, além de Luciano Huck e até mesmo postulantes que podem tirar votos do candidato do PSDB, como Álvaro Dias. Os votos mais extremados à direita, que foram fundamentais em 2014 para levar Aécio Neves ao segundo turno, hoje estão na conta de Bolsonaro. Em suma, o teto para o voo do tucano Alckmin, nas condições atuais, é baixo.

Obviamente, não é possível dizer que Alckmin é carta fora do baralho, até por contar com a simpatia de boa (ou da maior) parte do mercado financeiro-empresarial e de ter a possibilidade de costurar uma aliança que lhe garanta o maior tempo de TV, há fatores que jogam contra. A campanha oficial neste ano vai ser mais curta (passou de 90 para 45 dias) e, desde a fundação da legenda, Alckmin será o candidato tucano a partir de um dos patamares mais baixos de votos nesse período do ano. Embora muito se fale das eleições de 1989, por conta do número de possíveis candidatos, talvez a referência para Alckmin seja o pleito de 2002.

Nos fins de fevereiro daquele ano, José Serra enfrentava dificuldades não apenas por ser o candidato que representava um governo impopular (como o governador paulista, que terá de explicar a adesão de sua legenda a Temer), mas também por conta de seus adversários. Roseana Sarney (PFL) crescia e chegava perto de Lula, que liderava as pesquisas. Além dela, o cenário contava com Anthony Garotinho (PSB) e Ciro Gomes (então no PPS), que disputavam faixa do eleitorado semelhante.

Pesquisa do Datafolha divulgada em 24 de fevereiro de 2002 mostrava Lula com 26%, Roseana, 23%; Garotinho com 13%; Serra, 10%; e Ciro, 8%. Após uma operação da Polícia Federal a que muitos atribuem a influência de Serra, Roseana nem sequer entrou no páreo. Agora, o tucano tem que contar com a queda de Bolsonaro e mirar seus adversários próximos, como fez em 2002 o ex-ministro da Saúde de Fernando Henrique Cardoso, que contou com o apoio da mídia para minar a candidatura de Ciro Gomes quando este alçou o segundo lugar nas sondagens eleitorais.

A outra alternativa do PSDB, João Doria, passado o furor no qual todo dia o prefeito paulistano aparecia na capa dos portais negando ou hesitando em negar sua candidatura, aparece nos cenários na parte de baixo. Hoje, empata tecnicamente com o ex-presidente e senador Fernando Collor (PTC-AL), oscilando entre 4% e 5%. Candidatura natimorta em função da própria volúpia com que se lançou para tomar o lugar de seu padrinho político como também pela sua gestão na cidade de São Paulo, que hoje não o coloca como favorito nem para disputar sua reeleição, de acordo com os 15% de ótimo/bom que lhe confere o Ibope.

Sem ter para onde correr, os tucanos irão de Alckmin. Que vai agir para tirar peças de centro desse confuso tabuleiro onde, para ele, menos é mais.