Você está aqui: Página Inicial / Política / 2017 / 10 / Juíza proíbe show de Caetano Veloso em ocupação do MTST

Censura

Juíza proíbe show de Caetano Veloso em ocupação do MTST

Segundo decisão, "seu brilhantismo atrairá muitas pessoas para o local, o que certamente colocaria em risco estas mesmas"
por Redação RBA publicado 30/10/2017 18h59, última modificação 30/10/2017 18h59
Segundo decisão, "seu brilhantismo atrairá muitas pessoas para o local, o que certamente colocaria em risco estas mesmas"
Mídia Ninja
Show de Caetano Veloso MTST

Artistas conversam com moradores na Ocupação Povo Sem Medo, na tarde desta segunda-feira (30)

São Paulo - A juíza Ida Inês Del Cid, da 2ª Vara da Fazenda Pública de São Bernardo do Campo, deferiu na tarde desta segunda-feira (30) um pedido do Ministério Público para a impedir a realização de uma apresentação de Caetano Veloso na Ocupação Povo Sem Medo, do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), em São Bernardo do Campo.

De acordo com a decisão, caso o show, marcado para as 19h, aconteça, a multa é de R$ 500 mil, sendo "deferida ordem policial, caso necessário". Para interditar a apresentação, a juíza alega que o local "não possui estrutura a suportar show, mormente para artistas da envergadura de Caetano Veloso".

“Seu brilhantismo atrairá muitas pessoas para o local, o que certamente colocaria em risco estas mesmas, porque, como ressaltado, não há estrutura para shows, ainda mais, de artista tão querido pelo público, por interpretar canções lindíssimas, com voz inigualável", diz o texto da decisão. "Destarte, o povo merece shows artísticos, mas desde que atendidos requisitos, que aqui não estão presentes, conforme bem alegado pelo Ministério Público."

A menos de três horas da hora marcada para a apresentação de Caetano, policiais e guardas civis impediram a entrada de equipamentos de som na Ocupação Povo Sem Medo. A denúncia foi feita em rede social pelo coordenador do MTST, Guilherme Boulos. "A PM e a GCM acham que a vontade do prefeito Orlando Morando vale mais do que a Constituição", afirmou o ativista