Você está aqui: Página Inicial / Política / 2017 / 05 / Roberto Requião: 'A vaca foi para o brejo e levou a corda'

Tragédia anunciada

Roberto Requião: 'A vaca foi para o brejo e levou a corda'

Em vídeo publicado nas redes sociais, senador defende "Diretas Já" diante da denúncia de que Temer teria dado aval para comprar o silêncio de Eduardo Cunha
por Glauco Faria publicado 17/05/2017 22h50
Em vídeo publicado nas redes sociais, senador defende "Diretas Já" diante da denúncia de que Temer teria dado aval para comprar o silêncio de Eduardo Cunha
Jefferson Rudy/Agência Senado
Requião diretas já

"Vocês lembram o que eu disse no impeachment da Dilma: canalhas, canalhas, canalhas", disse Requião em vídeo

São Paulo – O senador roberto Requião (PMDB-PR) divulgou um vídeo pelas redes sociais pedindo eleições direitas e gerais, após a denúncia veiculada pelo colunista Lauro Jardim de que Michel Temer foi gravado pelos donos do frigorífico JBS dando aval para comprar o silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso pela operação Lava Jato.

"Vocês lembram o que eu disse no impeachment da Dilma: canalhas, canalhas, canalhas. E eu era a única oposição verdadeira ao governo da Dilma no Congresso Nacional, mas li com toda clareza que pretendiam acabar com o Brasil, entregar a Petrobras, vender nossas terras, massacrar os trabalhadores, acabar com a aposentadoria, e isso eles estão fazendo até hoje", disse Requião.

Para Requião, é hora de convocar eleições para a presidência e também para o Congresso Nacional. "Agora só temos uma saída. A vaca foi para o brejo e levou a acorda. A solução é eleição direta, diretas já em todos níveis, para o Senado, para deputados, para presidente da República, depois de uma grande discussão para que os brasileiros digam o que querem fazer com o nosso país."

"Que o Congresso pare imediatamente com essa canalhice de massacrar os trabalhadores, de acabar com a CLT, de destruir aposentadorias e entregar o Brasil. Esse Congresso não está representando o povo brasileiro, parece que ele vive num outro país, numa outra dimensão. Está na hora de passarmos tudo a limpo"