Você está aqui: Página Inicial / Política / 2017 / 05 / Dono da JBS gravou Temer dando aval para comprar silêncio de Cunha, diz jornal

bomba

Dono da JBS gravou Temer dando aval para comprar silêncio de Cunha, diz jornal

Segundo colunista de 'O Globo', informação faz parte da delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, que também gravaram Aécio Neves pedindo R$ 2 milhões, para pagar custos de sua defesa na Lava Jato
por Redação RBA publicado 17/05/2017 20h42, última modificação 18/05/2017 08h56
Segundo colunista de 'O Globo', informação faz parte da delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, que também gravaram Aécio Neves pedindo R$ 2 milhões, para pagar custos de sua defesa na Lava Jato
marcello casal jr / abr
aeciotemer.jpg

Aécio Neves e Michel Temer, gravados em conversas comprometedoras pelos donos da JBS, em delações à PGR e confirmadas ao STF

São Paulo – A página do jornal O Globo na internet afirma, no blog do colunista Lauro Jardim, publicada na noite desta quarta-feira (17), que os donos do frigorífico JBS gravaram o presidente Michel Temer dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso na Operação Lava Jato. A informação dos empresários foi dada em delação à Procuradoria-Geral da República.

Segundo o jornal, Joesley Batista entregou uma gravação feita em março deste ano em que diz a Temer que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada para que permanecessem calados na prisão. Diante dessa informação, Temer diz, na gravação: "Tem que manter isso, viu?"

No depoimento aos procuradores da força-tarefa da Lava Jato, Joesley afirma que não foi Temer quem determinou a mesada a Eduardo Cunha, mas que o presidente "tinha pleno conhecimento" da operação pelo silêncio do ex-deputado.

Em outra gravação, também de março, Temer indica o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para "resolver assuntos" da J&F, holding que controla a JBS. Posteriormente, Rocha foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil, enviados por Joesley.

O colunista conta que os irmãos Joesley e Wesley Batista estiveram na quarta-feira passada (10) no Supremo Tribunal Federal (STF) no gabinete do ministro relator da Lava Jato, Edson Fachin – responsável por homologar a delação dos empresários. Diante dele, os empresários teriam confirmado que tudo o que contaram à PGR em abril foi de livre e espontânea vontade.

Também na delação de Joesley aparece o senador Aécio Neves, presidente do PSDB, que é gravado pedindo ao empresário R$ 2 milhões, sob a justificativa de que precisava da quantia para pagar despesas com sua defesa na Lava Jato.

O pedido de ajuda foi aceito e o empresário quis saber quem seria o responsável por pegar as malas com o dinheiro. Segundo o DCM, teria se dado então o seguinte diálogo:

Joesley: Se for você a pegar em mãos, vou eu mesmo entregar. Mas, se você mandar alguém de sua confiança, mando alguém da minha confiança.

Aécio: Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação. Vai ser o Fred com um cara seu. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara. E você vai me dar uma ajuda do c....

Ainda segundo o DCM, Aécio indicou seu primo Frederico Pacheco de Medeiros, para receber o dinheiro. Fred, como é conhecido, foi diretor da Cemig, nomeado por Aécio, e coordenador de logística de sua campanha a presidente em 2014.

Quem levou o dinheiro a Fred foi o diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, um dos sete delatores. Foram quatro entregas de R$ 500 mil cada uma. A PF filmou uma delas.

A entrega do dinheiro ao primo de Aécio, também foi filmada.

Nem Temer nem Aécio se manifestaram ainda sobre a declaração.

Temer nega 

O presidente Michel Temer divulgou nota negando a ação para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Confira a íntegra:

O presidente Michel Temer jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar.

O encontro com o empresário Joesley Batista ocorreu no começo de março, no Palácio do Jaburu, mas não houve no diálogo nada que comprometesse a conduta do presidente da República.

O presidente defende ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa, com a responsabilização dos eventuais envolvidos em quaisquer ilícitos que venham a ser comprovados.

 

Assista a chamada do Plantão Globo sobre a notícia das gravações que implicam Michel Temer e Aécio Neves: