Você está aqui: Página Inicial / Política / 2017 / 05 / Delações decretam o fim do governo Temer, avaliam cientistas políticos

sem saída

Delações decretam o fim do governo Temer, avaliam cientistas políticos

Aldo Fornazieri diz que presidente da República deve ter mandato suspenso pelo STF. Emir Sader acredita em renúncia
por Redação RBA publicado 18/05/2017 11h26, última modificação 18/05/2017 12h38
Aldo Fornazieri diz que presidente da República deve ter mandato suspenso pelo STF. Emir Sader acredita em renúncia
Lula Marques/AGPT
Michel Temer.jpg

'Eu acredito que Temer renunciaria. Ele é um cara fraco', diz o cientista político Emir Sader

São Paulo – Para o cientista político e e professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) Aldo Fornazieri, o governo Temer acabou. "Se as delações (de Joesley Batista, dono da JBS) forem confirmadas, o governo Temer acabou. Não tem como Temer continuar no comando do governo", afirmou, hoje (18), à Rádio Brasil Atual.

Aldo diz que as revelações não causam espanto. "Surpreende a ousadia dos criminosos. Na chefia do governo e a Operação Lava Jato, ainda em andamento, eles não tiveram pudor em cometer crimes dessa magnitude", critica. 

Fornazieri diz também que há duas saídas para Temer deixar o Palácio do Planalto: a cassação da chapa no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ou ter o mandato suspenso pelo Supremo Tribunal Federal (STF). "Há precedentes do STF nesse sentido quando suspenderam o mandato do Eduardo Cunha. Esta é a saída mais rápida."

O também cientista político Emir Sader acredita que a delação é o fim da linha para Michel Temer e acredita que o presidente possa renunciar ao cargo. "Eu acredito que Temer renunciaria, porque o governo dele já recuou bastante em diversas iniciativas. Ele é um cara fraco, colocado lá em uma condição muito superior do que ele poderia desempenhar", afirmou também à Rádio Brasil Atual.

Segundo o jornal O Globo, o dono da JBS entregou uma gravação feita em março deste ano em que diz a Temer que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada para que permanecessem calados na prisão. Diante dessa informação, Temer diz na gravação: "Tem que manter isso, viu?".

Ouça a entrevista de Aldo Fornazieri:

Ouça a entrevista de Emir Sader: