Você está aqui: Página Inicial / Política / 2017 / 02 / Sobe desaprovação a Temer. E Lula cresce nas intenções de voto

Só 10% apóiam

Sobe desaprovação a Temer. E Lula cresce nas intenções de voto

Avaliação negativa ao governo aumentou para 44% e desaprovação pessoal ao presidente foi a 62%, segundo pesquisa CNT/MDA. Ex-presidente tem vantagem em primeiro e segundo turnos
por Redação RBA publicado 15/02/2017 14h49, última modificação 16/02/2017 10h11
Avaliação negativa ao governo aumentou para 44% e desaprovação pessoal ao presidente foi a 62%, segundo pesquisa CNT/MDA. Ex-presidente tem vantagem em primeiro e segundo turnos
abr
Lula e temer.jpg

Lula venceria Temer em eventual eleição, com 42,9% da preferência do eleitorado ante 19% do seu adversário

São Paulo – Aumentou a avaliação negativa do governo e a desaprovação pessoal ao presidente Michel Temer, segundo pesquisa divulgada hoje (15) pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), encomendada ao instituto MDA. O mesmo levantamento mostra crescimento, em intenções de voto, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tanto em eventual primeiro como em segundo turno.

De acordo com a pesquisa, a avaliação negativa subiu para 44,1% (26,5% de "péssimo" e 17,6% de "ruim"), ante 36,7% em outubro. A positiva passou de 14,6% para 10,3%. A escolha de "regular" teve ligeira alta, de 36,1% para 38,9%. Outros 6,7% não souberam responder ou não responderam (12,6% em outubro). 

Em relação ao desempenho pessoal de Temer, 62,4% dos entrevistados disseram desaprovar, ante 51,4% em outubro. A aprovação caiu de 31,7% para 24,4%. 

Na pergunta sobre intenção espontânea de voto (sem indicação de nomes), caso a eleição fosse hoje, Lula aparece com 16,6%, ante 11,4% seis meses atrás. Candidato derrotado em 2014, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) caiu de 3,1% para 2,2%. Temer foi de 3% para 1,1% e Marina Silva (Rede), de 2,4% para 1,8%. Quem também sobe é o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), de 3,3% para 6,5%. 

Segundo turno

Lula ganha em todos os cenários estimulados em primeiro turno. Contra Aécio, Temer, Marina, Bolsonaro e Ciro Gomes, chegaria na frente com 30,5%. Em um segundo cenário, com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), teria 31,8%. Com apenas três adversários (Aécio, Marina e Bolsonaro), ficaria com 32,8%.

Em eventual segundo turno contra Aécio, o ex-presidente ganharia com 39,7%, ante 27,5% para o tucano. Em outubro, o senador aparecia à frente. 

Se a disputa fosse entre Aécio e Temer, o ex-governador de Minas Gerais venceria com 34,1%, ante 13,1% para o presidente. Contra Marina, a eleição mostra equilíbrio: Aécio tem 28,6% e a dirigente da Rede, 28,3%.

Lula tem larga vantagem contra Temer: 42,9% a 19%. O petista também venceria Marina Silva, embora com margem mais estreita (38,9% a 27,4%).

O atual presidente também perde para Marina, com 34,4% a 16,8%. Em todos os cenários pesquisados, há expressiva intenção de votos em branco e nulos.

O instituto ouviu 2.002 pessoas em 138 municípios de 25 unidades da federação, entre quarta-feira e sábado (8 a 11). A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos.