Você está aqui: Página Inicial / Política / 2016 / 06 / Procuradores da Lava Jato travam acordo de sócio da OAS por inocentar Lula

seletivo

Procuradores da Lava Jato travam acordo de sócio da OAS por inocentar Lula

Léo Pinheiro disse que o ex-presidente Lula não teve envolvimento nos casos do apartamento em Guarujá e do sítio em Atibaia. Três meses depois, aceitação da colaboração do executivo é incerta
por Jornal GGN publicado 01/06/2016 11h51
Léo Pinheiro disse que o ex-presidente Lula não teve envolvimento nos casos do apartamento em Guarujá e do sítio em Atibaia. Três meses depois, aceitação da colaboração do executivo é incerta
Luis Macedo/Agência Câmara
OAS

Léo Pinheiro foi condenado a 16 anos de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa

GGN – Um acordo de delação premiada que favorecesse o já condenado a 16 anos de prisão, Léo Pinheiro, ex-presidente e sócio da OAS, não foi fechado pela operação Lava Jato porque, em suas narrativas, o empresário inocentou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ao contrário do que mostrou o rápido avanço do acordo com executivos da Odebrecht, como Marcelo e seu pai Emílio, que prometeram revelar esquema de caixa 2 com todas as campanhas majoritárias recentes, a negociação de Pinheiro teve início em março deste ano e, depois de três meses, ainda não há perspectivas de que os investigadores aceitem a colaboração do executivo.

Isso porque, segundo reportagem da Folha de S. Paulo, a versão dos fatos dada por Léo Pinheiro ao caso da reforma do apartamento, no Guarujá, e do sítio, no interior de São Paulo, é considerada pouco crível pelos procuradores da Força Tarefa.

A versão dada pelo ex-presidente da OAS foi que Lula não teve influência ou papel na reforma do apartamento e nas obras do sítio. Segundo Léo Pinheiro, os investimentos na propriedade de Atibaia ocorreram a pedido de Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, em 2010, último ano do governo do ex-presidente. À Polícia Federal, Okamotto confirmou que pediu as obras no sítio.

Já no Guarujá, Léo Pinheiro afirmou que decidiu reformar o apartamento para agradar o ex-presidente, e não como contrapartida de algum benefício que o grupo tenha recebido por Lula. A OAS investiu em cerca de R$ 1 milhão nas obras do apartamento, mas a família do ex-presidente não se interessou pelo imóvel.

A versão é a mesma apresentada pelo ex-presidente Lula aos investigadores. Desde que foi condenado pelo Tribunal Regional Federal (TRF) de Porto Alegre, em agosto do último ano, por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa, Pinheiro aguarda apenas o julgamento de um recurso, podendo retornar para a prisão neste mês, já em cumprimento da pena da Lava Jato.

registrado em: , ,