Você está aqui: Página Inicial / Política / 2016 / 05 / Herdeira da Globo, filha de João Roberto Marinho fez pagamentos à Mossack

na rede

Herdeira da Globo, filha de João Roberto Marinho fez pagamentos à Mossack

Panamá Papers confirmam denúncias de relações da Globo com a empresa que atua "a serviço de delatores e traficantes". Em 2009, foram US$ 7 mil para reativar offshore Vaincre LLC
por Luiz Carlos Azenha publicado 08/05/2016 10h49, última modificação 09/05/2016 12h36
Panamá Papers confirmam denúncias de relações da Globo com a empresa que atua "a serviço de delatores e traficantes". Em 2009, foram US$ 7 mil para reativar offshore Vaincre LLC
O Globo / Reprodução
mossack_globo.jpg

Neta e herdeira da Globo está entre clientes da Mossack, que para atingir Lula foi descrita pelos veículos do grupo de atuar 'a serviço de ditadores, delatores e traficantes'

Publicação do blog de Fernando Rodrigues confirma o que o Viomundo denunciou com exclusividade em 22 de março último: a neta favorita de Roberto Marinho, Paula, filha de João Roberto Marinho, fez pagamentos à Mossack & Fonseca relativos à manutenção de três empresas offshore ligadas aos negócios do marido dela, Alexandre Chiappeta de Azevedo.

Além disso, em outubro de 2009 a filha de João Roberto Marinho participou da regularização da offshore Vaincre LLC em Las Vegas, Nevada, de acordo com e-mail publicado por Fernando Rodrigues.

Nevada tem legislação que favorece especialmente a ocultação dos verdadeiros donos de uma empresa de fachada. É que o estado norte-americano permite que a offshore tenha como agente e gerente locais não pessoas em carne e osso, mas outras empresas.

Num artigo de dezembro de 2014 sobre a Mossack, o jornalista Ken Silverstein reproduziu entrevista de um especialista em lavagem de dinheiro, que explicou o que acontece em Nevada: “São organizações integradas verticalmente até o minuto em que aparece um policial ou investigador. Aí elas se desintegram em uma série de entidades desconectadas e todo mundo jura que não sabe nada sobre qualquer outra pessoa no sistema. É um quebra-cabeças montado, que de repente se desfaz quando alguém começa a investigar”.

"Quando o suspeito era Lula, O Globo denunciou a Mossack e chegou atribuir a propriedade do edifício Solaris ao ex-presidente. Agora, se cala sobre a herdeira de Roberto Marinho", escreve o jornalista e blogueiro Luiz Carlos Azenha.

Leia a reportagem completa no Viomundo