Você está aqui: Página Inicial / Política / 2016 / 05 / 'Ele reagiu como todos nós, indignado', disse Paulinho da Força

Barbas de molho

'Ele reagiu como todos nós, indignado', disse Paulinho da Força

"Esse é o drama dos quase 200 deputados e senadores que são processados pelo Supremo.Estamos todos revoltados. Estamos discutindo até não cumprir a decisão do Supremo", diz deputado
por Redação RBA publicado 05/05/2016 14h25, última modificação 06/05/2016 01h32
"Esse é o drama dos quase 200 deputados e senadores que são processados pelo Supremo.Estamos todos revoltados. Estamos discutindo até não cumprir a decisão do Supremo", diz deputado
Câmara dos Deputados
Cunha e Paulinho

Paulinho é um dos principais integrantes da tropa de choque de Cunha, e um políticos citados em denúncias

Brasília – O deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, presidente da Força Sindical, disse hoje (5) que Eduardo Cunha (PMDB-RJ) reagiu com indignação à decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki de afastá-lo do mandato de deputado federal e, em consequência, da presidência da Câmara. Paulo esteve na residência oficial da presidência da Câmara nesta manhã, após Cunha ter recebido a notificação do STF.

Cunha está na residência oficial com seus advogados e disse que vai apresentar recurso à decisão do ministro do Supremo. O deputado foi notificado por volta das 7h30.

“Ele reagiu como todos nós, indignado”, disse Paulinho. E completou “Na prática, é uma intervenção de um ministro do Supremo na Câmara. Ele cassou o mandato de um deputado com uma liminar. Por essa base, ele cassa mais 200, 300 deputados que têm processo no Supremo, então, precisamos avaliar isso depois do processo”, disse a jornalistas ao chegar, depois, ao Palácio do Juburu para se encontrar com o vice-presidente, Michel Temer.

Segundo Paulinho, o grupo de aliados de Cunha discute uma reação extrema de até não cumprir a decisão do ministro Teori Zavascki. "Esse é o drama dos quase 200 deputados e senadores que são processados pelo Supremo. Estamos discutindo o que fazer. Estamos todos revoltados. Estamos discutindo até não cumprir a decisão do Supremo”, disse o deputado, que é réu por corrupção, acusado de ter desviado recursos do BNDES. Ele e outros líderes de bancadas vão voltar a se reunir à tarde par tratar da crise política que se instalou na Câmara com a suspensão do mandato de Cunha.

Com informações da Agência Brasil e do Congresso em Foco