Você está aqui: Página Inicial / Política / 2016 / 04 / PP convoca reunião para tentar unificar posição sobre impeachment

Câmara federal

PP convoca reunião para tentar unificar posição sobre impeachment

Turno da tarde na sessão da Câmara tem como destaques reunião de última hora do partido e críticas de oposicionistas ao discurso a ser feito por Dilma, que pode ficar restrito às redes sociais
por Hylda Cavalcanti, da RBA publicado 15/04/2016 18h19, última modificação 15/04/2016 18h29
Turno da tarde na sessão da Câmara tem como destaques reunião de última hora do partido e críticas de oposicionistas ao discurso a ser feito por Dilma, que pode ficar restrito às redes sociais
Alex Ferreira / Câmara dos Deputados
golpistas.jpg

Para oposição, o discurso dos parlamentares da base aliada tem sido voltado para a militância

Brasília –A bancada do PP continua dividida em relação ao impeachment da presidenta Dilma Rousseff e, em razão disso, a legenda realiza nova reunião hoje (15). Esse é um dos dois assuntos que correm os bastidores da Câmara hoje. O outro é a confusão provocada por alguns parlamentares da oposição, que criticaram o discurso previsto para ser feito esta noite, pela presidenta Dilma Rousseff, em cadeia nacional.

No caso de Dilma, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República confirmou que o discurso não será mais realizado em cadeia nacional de rádio e TV, para evitar, segundo líderes da base aliada, futuras contestações judiciais. Mas a fala da presidenta já foi gravada e pode ser liberada dentro de pouco tempo, para veiculação nas redes sociais. Os oposicionistas não comentam publicamente, mas em reservado, veem a manifestação como uma forma do governo tentar convocar a militância para pressionar os indecisos contra o impeachment.

Já em relação ao PP, começa a ficar maior a separação entre os deputados favoráveis e contrários ao impeachment, embora continue maior o número de integrantes do partido que se posicionam favoráveis. Um dos pepistas que pediu a reunião foi o deputado Jerônimo Goergen (RS), que acusou o deputado Dudu da Fonte (PE) de ter ido nos últimos dias, no Palácio do Planalto, para contabilizar o número de parlamentares da sigla que apoiam o governo e prometem dar voto contrário ao impeachment.

Segundo ele, a legenda não pode ter integrantes com visões diferentes sobre essa questão. “Precisávamos tomar uma posição clara e tentaremos acertar os ponteiros de uma vez, nesta reunião”, destacou.

Para a maior parte dos deputados da oposição que já se pronunciaram no plenário, o discurso dos parlamentares da base aliada tem sido voltado para a militância, como forma de estimular o clima contra impeachment no país. Mas eles continuam garantindo que a votação está ganha e dão como certo o afastamento de Dilma.

“A presidenta será afastada porque estamos cumprindo a lei. O momento é de coragem por parte de todos nós, é de votar pelo sim ao impeachment”, afirmou o deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), repetindo o tom de vários colegas de partido que têm aproveitado para contestar as acusações de que quem quer o afastamento é golpista.

Os deputados da base aliada, por sua vez, aguardam o momento dos seus partidos passarem a discursar e dizem que existe “uma preocupação nítida” dos oposicionistas com a quantidade de votos. “Vamos esperar o domingo, para ver se esse falso prognóstico pregado pelo pessoal do PSDB e do DEM se confirma”, ressaltou Henrique Fontana (PT-RS), ao acrescentar que “o impeachment não prosperará”.

Holofotes

Deputados aproveitam os holofotes da sessão do impeachment realizada hoje (15) para falar sobre suas origens difíceis, de suas cidades natais, para saudar o eleitorado e até para recitar versos de autores desconhecidos.

Houve até quem destacasse a “juventude da minha terra”, como o deputado potiguar Rafael Mota (PSB). Outro a adotar a mesma linha de discurso foi o deputado Alceu Moreira (PMDB-RS), que lembrou pleitos feitos para implementação de trens e sistemas de transporte para a população da sua cidade de origem, Porto Alegre.

Como foi estabelecido anteriormente, o sistema de fala dos deputados é feito por partido. Até agora, já se pronunciaram parlamentares do PMDB, PT, PSDB, PP, PTdoB e PR. Pela ordem das legendas, a maior parte dos discursos da tarde terminou sendo de tom contrário ao governo e favorável ao impeachment.

registrado em: , , ,