Você está aqui: Página Inicial / Política / 2016 / 03 / Contra o golpe, Povo Sem Medo leva milhares à sede da Globo

protestos

Contra o golpe, Povo Sem Medo leva milhares à sede da Globo

Pacífico, "Ato em defesa da democracia – a saída é pela esquerda", marchou por algumas vias da capital paulista, em protesto contra contra o que chamam de "golpismo" patrocinado pela emissora
por Redação RBA publicado 24/03/2016 22:21, última modificação 25/03/2016 01:14
Pacífico, "Ato em defesa da democracia – a saída é pela esquerda", marchou por algumas vias da capital paulista, em protesto contra contra o que chamam de "golpismo" patrocinado pela emissora
Jornalistas Livres CC
Ato_PovoSemMedo.jpg

Concentração no Largo da Batata, em Pinheiros, antecedeu marcha que levou milhares a protestar contra a Rede Globo

São Paulo – Transcorreu sem incidentes o protesto intitulado "Ato em defesa da democracia - A saída é pela esquerda", que teve início no Largo da Batata, em Pinheiros, região oeste da capital paulista, por volta das 18h, e foi encerrado na sede da Rede Globo. Trinta mil pessoas, segundo os organizadores – 17 mil pelos cálculos de policiais ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo –  bradaram palavras de ordem contra a emissora, acusada pelo movimento de "apoiar um golpe contra a democracia no país".

Por volta das 18h40, o grupo começou a marchar pela Avenida Faria Lima em direção à zona zul da capital paulista. Eles passaram pelas avenidas Juscelino Kubitschek e Engenheiro Luís Carlos Berrini. Às 20h45 os manifestantes entraram na Avenida Chucri Zaidan e chegaram em frente à sede da TV Globo. "Chegamos ao final da marcha no local que é o simbolo de um golpe que está sendo arquitetado no país", disse um dos organizadores do ato.

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, que participa do protesto, destacou que "muita gente de vários setores sociais estão lutando contra o golpe". "O impeachment significa um retrocesso, a imposição de uma pauta neoliberal, com a precarização do trabalho, arrocho. Não haverá estabilidade com impeachment", afirmou.

Falcão defendeu que o Supremo Tribunal Federal retire a suspensão da nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro da Casa Civil. "Lula é ficha limpa, portanto não há nenhuma razão para ele não ser ministro", disse.

O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, afirmou que o objetivo do protesto é "deter uma ameaça à democracia e às garantias constitucionais". "Importante dizer que não estamos aqui para defender governo algum", discursou.

A cartunista Laerte Coutinho, presente entre os manifestantes disse ao Estado que "a importância desse movimento é que as pessoas entendam que elas não estão sozinhas. Às vezes, nas redes sociais, quem pensa diferente pode achar que está sozinho. Não, agora, com essa manifestação quem está contra o golpe vai poder encontrar os seus iguais".

O deputado federal Ivan Valente (Psol-SP) afirmou: "Estamos aqui para defender os direitos dos trabalhadores e contra o ajuste fiscal. O processo de impeachment está sendo tocado por um delinquente que deveria estar preso: Eduardo Cunha".

Com informações de Jornalistas Livres, Brasil 247 e Agência Brasil