Você está aqui: Página Inicial / Política / 2016 / 01 / Com nova lei, governo espera estimular pesquisas em tecnologia

Marco da Inovação

Com nova lei, governo espera estimular pesquisas em tecnologia

Matéria foi resultado de cinco anos de discussão no Congresso e considerada um avanço pela comunidade científica
por Hylda Cavalcanti, da RBA publicado 11/01/2016 14:09, última modificação 11/01/2016 15:13
Comments
Matéria foi resultado de cinco anos de discussão no Congresso e considerada um avanço pela comunidade científica
Ichiro Guerra/PR
Dilma

Governo divulgou edital do CNPq, que prevê R$ 200 milhões em dois anos para linhas de pesquisa

Brasília – Com o Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação, sancionado hoje (11), o governo deu, de forma simbólica, um primeiro passo em seu discurso de retomar o desenvolvimento do país neste período de crise econômica – com o apoio do Congresso Nacional. Ao mesmo tempo, atendeu a demandas do empresariado e da academia. A legislação consiste em uma modernização de nove leis anteriores que tratam do tema. Na prática, facilita e desburocratiza a formação de parcerias entre instituições, empresas e o Executivo, flexibiliza regras e visa a estimular a agilidade da pesquisa.

Além da sanção, em cerimônia realizada no final da manhã no Palácio do Planalto, o Executivo divulgou outra boa notícia para o setor: a volta do chamado Edital Universal do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), que prevê R$ 200 milhões para linhas de pesquisa a serem liberados próximos dois anos. No ano passado, existia um passivo grande do edital de 2014. Por causa disso, o edital foi suspenso para o pagamento das linhas de pesquisa anteriores.

Mas o que mais se comemora é a melhoria a ser observada na situação dos professores e pesquisadores. Até esta segunda-feira, eles tinham direito a dedicar 240 horas à pesquisa científica, mas contanto que se submetessem a perder progressões nos seus planos de carreira. A partir de agora, eles podem dedicar 416 horas às pesquisas e com segurança jurídica para que não percam direitos nem progressões nos seus trabalhos.

“Temos duas certezas hoje no Brasil. A primeira, que o país possui extraordinária capacidade de produção de conhecimento e a segunda, que não tem capacidade de transformar esse conhecimento em integração produtiva. A legislação sancionada agora muda esse quadro”, afirmou a presidenta Dilma Rousseff. Segundo ela, as novas regras permitirão um ambiente científico e tecnológico mais favorável no país e a transformação de ciência básica em inovação, de forma a gerar mais conhecimento.

Apesar disso, a lei foi sancionada com alguns vetos, referentes a mudanças que deixaram o texto mais condizente com as regras para ajuste econômico. Alguns tratam de isenções a serem dadas a empresas durante as parcerias a serem firmadas, na área da Previdência Social, sobretudo em relação a bolsas e compras de produtos – que não puderam ser firmadas. Outros vetos dizem respeito às regras para liberação de licitação em projetos de empresas que fizerem inovação tecnológica – alguns dos critérios deixados de lado durante a votação do Congresso passaram a ser exigidos.

Apoio do Congresso

A presidenta também aproveitou a solenidade para elogiar o Legislativo e lembrar a importância das medidas do ajuste fiscal. Dilma disse que o Congresso mostrou, com a aprovação da nova lei, que tem compromisso com as reformas que o Brasil precisa. “Este ato é um grande passo para o aumento da nossa produtividade e do incentivo à pesquisa das empresas”, acentuou.

Já o presidente da Academia Brasileira de Ciências, Jacob Palis Junior, chamou a conquista de “extraordinária”. “É um sonho que estamos realizando hoje, que significa muito e preenche lacunas que tínhamos até então na área de tecnologia e inovação.”

“Com a sanção, será aberto um novo caminho para solucionar o gargalo que impedia a integração entre universidades e empresas”, afirmou ainda o deputado e líder do PT na Câmara, Sibá Machado (AC), relator da matéria na Casa. De acordo com o parlamentar, a regulamentação – que está sendo chamada de “marco da inovação” – vai possibilitar ao país avanço na exportação de produtos de alto valor agregado, em vez de se concentrar apenas nas exportações em commodities.

Autora da proposta, a deputada Margarida Salomão (PT-MG) disse que a nova lei consiste numa “conquista da sociedade brasileira”. “Com o marco regulatório o Brasil passa a dispor de uma armadura institucional capaz de permitir o nosso desenvolvimento científico e tecnológico, com respostas positivas para diversos setores, além de garantir uma evolução na economia brasileira”, ressaltou.

O presidente do CNPq, Hernan Chaimovich Guralnik, ressaltou que os instrumentos apresentados são ferramentas que permitirão ao país sair da crise e dar outros passos para contribuir com maior segurança jurídica nas parcerias a serem feitas na área de pesquisa, o que até então não vinha acontecendo.

O texto que resultou na lei sancionada hoje tramitou no Congresso durante cinco anos e, ao longo desse período, foi discutido por parlamentares, representantes do governo, empresariado e 58 instituições ligadas à academia e aos setores de pesquisa, ciência, tecnologia e inovação.

O que muda

Entre as novidades, estão parcerias de longo prazo a serem firmadas entre os setores público e privado, possibilidade de maior flexibilidade de atuação às instituições científicas, tecnológicas e de inovação (ICTs) e suas respectivas entidades de apoio. Além da possibilidade de dispensa de licitação, pela administração pública, nas contratações de serviços ou produtos inovadores de empresas de micro, pequeno e médio porte – mediante critérios diversos.

As novas regras possibilitam a utilização do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC) para ações em órgãos e entidades dedicados a ciência, tecnologia e inovação. E preveem aos governadores e prefeitos que estabeleçam regime simplificado, com regras próprias para as aquisições nessas áreas.

Outra perspectiva para o setor é o fato de a legislação permitir que pesquisadores em regime de dedicação exclusiva nas instituições públicas possam exercer atividades remuneradas de ciência, tecnologia e inovação em empresas. E que professores de instituições federais de ensino ocupem cargos de direção máxima em fundações de apoio à inovação, inclusive recebendo remuneração adicional.

O marco regulatório dá ainda tratamento aduaneiro prioritário e simplificado a equipamentos, produtos e insumos a serem usados em pesquisa. Permite a concessão de visto temporário ao pesquisador sob regime de contrato ou a serviço do governo brasileiro, assim como ao beneficiário de bolsa de pesquisa concedida por agência de fomento.

Com a regulação, a prestação de contas dos recursos destinados à inovação passa a ser uniformizada e as instituições científicas poderão autorizar o uso de seus bens, instalações e capital intelectual por outras instituições, empresas privadas e até pessoas físicas. Da mesma forma, servidores públicos e militares poderão, a partir de agora, ser afastados de suas atividades para desenvolver projetos de pesquisa – fazendo jus aos mesmos direitos e vantagens do seu cargo de origem.

comentários do blog alimentados pelo Disqus