Você está aqui: Página Inicial / Política / 2015 / 10 / Dia Nacional de Lutas mobiliza todas as regiões do estado de São Paulo

dia de luta

Dia Nacional de Lutas mobiliza todas as regiões do estado de São Paulo

por Flávia Serafim publicado 03/10/2015 16h33
CUT-SP
frente3.jpg

Caminhada em Bauru do ato da Frente Brasil Popular. Mobilização social no interior paulista se amplia

CUT São Paulo – A CUT e o Fórum dos Movimentos Sociais de SP realizam mobilizações em todas as regiões do estado paulista hoje (3), Dia Nacional em Defesa da Democracia, da Petrobras e Contra o Ajuste Fiscal, promovido em todo o país pela Frente Brasil Popular. O dia também marca o aniversário de 62 anos da Petrobras.

Além da capital, militantes das regiões de Araçatuba, Bauru, Campinas, Itapeva, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Sorocaba ocuparam ruas, avenidas e praças dialogando com a população, fazendo panfletagem, intervenções artísticas e comercializando produtos da economia solidária.

Em Campinas, o presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo, participou do ato público, em petroleiros e outros dez sindicatos cutistas, além de entidades dos movimentos sociais e estudantil, caminharam da Estação Cultura até o Largo da Catedral Metropolitana.

"A Petrobras tem importância estratégica para o futuro do país e para que o Brasil tenha o controle da produção petrolífera. Além do investimento na saúde, só com os royalties do petróleo é que vamos chegar aos 10% do PIB para o ensino público, como é a meta definida no Plano Nacional de Educação", decalrou Douglas, que é professor da rede estadual paulista.

O dirigente também disse que a estratégia de descentralizar as mobilizações pelo estado visaram envolver o interior paulista nas grandes marchas e debater demandas específicas de cada região.

Quanto ao ajuste fiscal, outra pauta do Dia Nacional de Lutas, Carlos Fábio, o Índio, coordenador da CUT Campinas, disse que os trabalhadores têm uma pauta para o país atravessar a crise, que é global, em menos tempo e com menos penalizações à classe trabalhadora. "E não é a pauta do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, mas é pela valorização do salário, aumento dos investimentos em infraestrutura, na manutenção e criação de programas sociais".

Em Ribeirão Preto, a 315 quilômetros da capital, a concentração começou às 8h30, na Esplanada do Theatro Pedro 2º, no centro da cidade. Além do ato público, a programação teve apresentação teatral e uma feira de alimentos orgânicos da agricultura familiar, produzidos em assentamentos da reforma agrária da região.

"Contra o reacionarismo, fritamos e distribuímos coxinhas à população”, contou Luiz Henrique de Souza, coordenador da CUT Ribeirão Preto. Na cidade, a mobilização ocorreu em parceria com a CUT São Carlos e manifestantes que viajaram de Araraquara, Batatais, Franca, Jaboticabal, São Joaquim da Barra, Serrana e Sertãozinho.

Em Itapeva, os movimentos do campo e da cidade ocuparam diversas ruas da região central. Participaram militantes de cerca de 30 cidades da região, de municípios como Apiaí, Buri, Capão Bonito, Coronel Macedo, Itararé e Taquarivaí.

“Diante da conjuntura que estamos vivendo, não abrimos mão da pauta dos movimentos sociais e sindical e nem da nossa organização. A luta vai nos dizer o caminho a seguir, mas o capital não pode se sobrepor à vida das pessoas”, avalia Solange Benedeti Penha, coordenadora da CUT Itapeva.

Em Bauru, uma caminhada com panfletagem tomou o calçadão da Rua Batista de Carvalho. No município, a marcha se uniu aos professores da Apeoesp, numa coleta de assinaturas contra o fechamento de salas de aula e a proposta de reestruturação de ensino imposta pela Secretaria Estadual de Educação do governo Alckmin.

"Estamos nas ruas das principais cidades brasileiras para dizer que precisamos lutar contra o ajuste fiscal que penaliza os mais pobres, mas também para defender a democracia e a Petrobras, que é uma empresa do Brasil e dos brasileiros", discursou Itamar Calado, coordenador da CUT Bauru.

Em Presidente Prudente, foi lançado regionalmente, em evento no auditório do Sindicato dos Bancários, o Fórum dos Movimentos Sociais de SP, que articula mais de 50 organizações no estado paulista.

"Seguiremos unidos em prol da soberania nacional, contra o capitalismo desenfreado e as ameaças aos direitos dos trabalhadores. Estamos na defesa do patrimônio do povo brasileiro e não aceitamos nenhum retrocesso", ressalta Ana Lúcia de Mattos Flores, coordenadora da CUT Presidente Prudente.

O Dia Nacional de Lutas ocorreu ainda com ampla programação e ato público em frente à Câmara Municipal de Araçatuba, em frente ao Praça Shopping, no calçadão de São José do Rio Preto, e na Praça Cel. Fernando Prestes, em Sorocaba.

registrado em: , , ,