Você está aqui: Página Inicial / Política / 2015 / 09 / Prêmio a Alckmin por gestão da água é comparado a Nobel da Paz a Bolsonaro

volume morto

Prêmio a Alckmin por gestão da água é comparado a Nobel da Paz a Bolsonaro

Em meio a maior crise hídrica do estado, governador paulista será premiado pela Câmara dos Deputados, em virtude de trabalho desenvolvido à frente da Sabesp. Notícia rendeu piadas nas redes
por Redação RBA publicado 22/09/2015 19:57
Em meio a maior crise hídrica do estado, governador paulista será premiado pela Câmara dos Deputados, em virtude de trabalho desenvolvido à frente da Sabesp. Notícia rendeu piadas nas redes
Orlando Kissner / Fotos Públicas
alckmin.jpg

TCE de São Paulo apontou que a falta de água é resultado da falta de planejamento do governo tucano

São Paulo – A informação veiculada hoje (22) de que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) é um dos vencedores do Prêmio Lúcio Costa de Mobilidade, Saneamento e Habitação, oferecido pela Câmara dos Deputados, revoltou o coordenador do Coletivo de Luta pela Água, Edson Aparecido: "Isso é mais absurdo que a própria crise. Ela é resultado justamente da incapacidade de gestão e planejamento do próprio governador Alckmin, que não deu ouvido a avisos, não investiu, não cumpriu promessas que ele mesmo fez na crise de 2003. Esse tipo de premiação é incentivo à má gestão, não tem o menor cabimento".

O tucano será premiado dia 13 de outubro "em virtude do trabalho desenvolvido à frente da Sabesp e da Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado de São Paulo" justamente em um ano que o estado enfrenta sua pior crise hídrica. A informação do prêmio foi motivo de piadas nesta terça-feira nas redes sociais, como: "Casal Nardoni vai receber o prêmio Infância Protegida","Inacreditável, deve ser coisa do Sensacionalista", "Aguardo ansiosamente o Bolsonaro receber o Nobel da Paz".

O líder do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo, Geraldo Cruz, demonstrou indignação. "O deputado que propôs esse prêmio a Alckmin, que por omissão e má utilização dos recursos públicos, é responsável pela maior crise hídrica do estado de São Paulo, poderia aproveitar e dar o nome de 'mandacaru' ao prêmio, a planta da terra onde nasci, a Paraíba, que tem a maior resistência à seca. Assim como o mandacaru, o povo paulista resiste à seca e à falta de planejamento para enfrentar a escassez de chuvas. Isso sem falar das denúncias feitas pela Observadora da ONU sobre a responsabilidade de Alckmin na crise e as denúncias do Ministério Público sobre corrupção em obras importantes da Sabesp", disse Geraldo Cruz.

Nesta terça-feira, o nível do Sistema Cantareira, principal reservatório da Região Metropolitana de São Paulo, voltou a cair após período de oito dias sem chuvas. Segundo a Sabesp, levando em conta a reserva técnica, conhecida popularmente como “volume morto”, o volume de água passou de -12,9% (ontem) para -13% hoje.

No último mês, o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo apontou que a falta de água é resultado da falta de planejamento do governo paulista. O órgão afirmou que a Secretaria Estadual de Recursos Hídricos recebeu diversos alertas sobre a necessidade de um plano de contingência contra a escassez de água. A pasta negou as alegações e afirmou que era impossível prever a estiagem de 2014.

Além disso, dados de 2013 do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento relativizam a liderança de São Paulo no processo de universalização do saneamento básico. Apesar de estarem à frente de todos os demais estados brasileiros no quesito de rede de abastecimento de água (95,85%) e coleta de esgoto (87,36%), os paulistas ainda apresentam um índice baixo de tratamento de esgoto, de apenas 53,34%. Tratado ou não, o esgoto acaba lançado em corpos d’água e rios que servem de abastecimento posteriormente.

O governador paulista foi indicado à premiação por seu colega de partido, o deputado federal João Papa (PSDB-SP). Segundo o parlamentar, Alckmin lidera um processo de gestão e de implementação de políticas públicas nas áreas de saneamento e de recursos hídricos que fazem de São Paulo o estado brasileiro mais próximo da universalização dos serviços de saneamento básico. A escolha pelo nome do governador foi feita pelos membros da CDU no último dia 9.

Alckmin foi escolhido para o prêmio na categoria Personalidades, ao lado de Jaime Lerner (ex-prefeito de Curitiba e ex-governador do Paraná), indicado pelo deputado Toninho Wandscheer (PT-PR) pelo modelo de mobilidade urbana, de preservação de áreas verdes e de reciclagem implantado na capital paranaense; e de Eduardo Paes (PMDB-RJ), prefeito do Rio de Janeiro indicado pelo deputado Hildo Rocha (PMDB-MA), por conta da revitalização da Região Portuária da cidade.

O programa Cidades e Soluções, veiculado pelos canais TV Futura e Globonews, foi um dos escolhidos para o prêmio na categoria Entidades ou Instituições.

O Prêmio Lúcio Costa de Mobilidade, Saneamento e Habitação foi criado pela CDU no último mês de julho e ocorrerá anualmente. De acordo com as regras, cada deputado integrante da comissão, entre titulares e suplentes, pode indicar até três nomes de entidade ou pessoa jurídica, e até três nomes de personalidades, todos ligados a uma das áreas: mobilidade, saneamento e habitação. A seleção dos premiados é feita por votação entre os parlamentares do colegiado.

A cerimônia de premiação da 1ª edição ocorrerá na abertura do 3º Seminário Internacional de Mobilidade e Transportes, no dia 13 de outubro, às 20h, no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados. Os premiados receberão um diploma de menção honrosa, uma medalha e a estatueta Lucio Costa, criada e produzida pelo artista, escultor e músico Edgar Duvivier.

Com informações do Opera Mundi