Você está aqui: Página Inicial / Política / 2015 / 04 / Padilha quer aprimorar relações entre capital, Grande SP e governo do estado

políticas públicas

Padilha quer aprimorar relações entre capital, Grande SP e governo do estado

Secretário de Relações Governamentais aproveita experiência de ministro das Relações Institucionais do governo Lula para articular aprovação de projetos que sustentem políticas públicas
por Redação da RBA publicado 21/04/2015 10h24
Secretário de Relações Governamentais aproveita experiência de ministro das Relações Institucionais do governo Lula para articular aprovação de projetos que sustentem políticas públicas
Padilha

"Quando se é gestor público, tem que se ter coragem de implementar as ações, depois o reconhecimento vem"

São Paulo – O secretário de Relações Governamentais da prefeitura de São Paulo, Alexandre Padilha, em entrevista à Rádio Brasil Atual, detalhou os desafios da pasta. Ele disse que espera reproduzir na secretaria os êxitos alcançados como ministro das Relações Institucionais durante o governo Lula, quando era o responsável por articular, junto ao Congresso a aprovação de projetos de leis que garantiam a sustentação de políticas públicas de todo o governo, como o Bolsa Família, o Prouni, e também parcerias com governadores e prefeitos em projetos como o Minha Casa Minha Vida.

Já como fruto do entendimento com a Câmara Municipal, Padilha destaca a liberação de verbas para a construção de um hospital na Brasilândia, zona norte da capital, projeto que se arrastava há anos e, agora, vai sair do papel.

Os esforços empreendidos junto ao governo federal, segundo o secretário, garantiram recursos do PAC para a implementação de 11 novos corredores de ônibus e obras de prevenção de enchentes. "Tudo o que se vai mudar, na cidade de São Paulo, se enfrenta polêmica", comentou o secretário, em referência a medidas como os corredores de ônibus e ciclovias que enfrentaram resistência, mas, hoje, gozam da aprovação da maior parte da população.

Padilha ressaltou a necessidade de aprimorar as relações entre a capital, os municípios da região metropolitana e o governo do estado. "Nos últimos dois anos, pela primeira vez na história da cidade, nasceram mais crianças em hospitais municipais do que em estaduais. O município, às vezes, tem que arcar com o fato de outros entes não estarem assumindo as suas responsabilidades", disse.

Sobre a corrida eleitoral do ano que vem, diz que é cedo para fazer qualquer previsão, mas que o prefeito Fernando Haddad vai chegar forte em 2016. "Ele já mostrou a que veio e toma as iniciativas que pautam a cidade."

Confira a entrevista completa da Rádio Brasil Atual: