Você está aqui: Página Inicial / Política / 2015 / 02 / Mobilização em defesa da Petrobras cresce em todo o país

União

Mobilização em defesa da Petrobras cresce em todo o país

Após evento de ontem na Associação Brasileira de Imprensa com a presença do ex-presidente Lula, novos atos reúnem lideranças pela soberania nacional e contra criminalização da política
por Eduardo Maretti, da RBA publicado 25/02/2015 20h08, última modificação 26/02/2015 12h57
Após evento de ontem na Associação Brasileira de Imprensa com a presença do ex-presidente Lula, novos atos reúnem lideranças pela soberania nacional e contra criminalização da política
Divulgação/CUT
CUT_Petrobras

Para dirigente,"toma corpo consciência maior" de que é fundamental evitar paralisação da Petrobras

São Paulo – Estão crescendo no país as manifestações de apoio à Petrobras vinculadas à defesa da soberania nacional. Após o ato de terça-feira (24) na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no Rio de Janeiro, com a presença de lideranças expressivas da sociedade civil, o secretário de Relações Internacionais da Federação Única dos Petroleiros (FUP), João Antonio de Moraes, destaca a expansão do movimento. “Começa a tomar corpo uma consciência maior de que é fundamental não permitirmos a paralisação da Petrobras, como garantia da soberania do país e a importância da empresa para o desenvolvimento brasileiro.”

O dirigente ressalta várias iniciativas e mobilizações que começam a ser programadas e realizadas em todo o país. Uma delas é a que o Clube de Engenharia, no Rio de Janeiro, promoveu no fim da tarde e início da noite de hoje (25). Foi a primeira reunião formal da Aliança pelo Brasil em Defesa da Soberania Nacional. O ato promovido pela entidade mostra que as mobilizações já ultrapassam a esfera dos petroleiros e trabalhadores.

O evento, chamado “Aliança pelo Brasil em defesa da engenharia e da soberania nacionais”, contou com representantes da CUT, União Nacional dos Estudantes, Sindicato dos Petroleiros do RJ, além do ex-ministro de Ciência e Tecnologia Roberto Amaral e o ex-senador Saturnino Braga. O presidente da Comissão da Verdade do Rio de Janeiro, Wadih Damous, representou a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Participaram do ato Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet), Instituto Brasileiro de Estudos Políticos (Ibep), Centro Celso Furtado, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio de Janeiro (Crea-RJ) e Instituto Alberto Luiz Coimbra da Universidade Federal do Rio de Janeiro, entre outros.

As entidades e seus representantes vão aprovar um manifesto que será encaminhado ao governo federal e programar uma série de atos públicos em todo o país.

Em texto divulgado em sua página na internet, o Clube de Engenharia diz que “a Aliança será um passo decisivo para o caminho de uma grande mobilização nacional”. Lembrando que os esforços tecnológicos da Petrobras proporcionaram avanços como a descoberta do pré-sal, em 2006, do qual o Brasil já retira cerca de 700 mil barris diários de petróleo, e que a companhia é responsável por uma cadeia produtiva da indústria naval, “induzindo o desenvolvimento tecnológico da empresa privada brasileira”, o texto conclui: “tudo isso está em risco”.

O cerco midiático-judiciário contra a Petrobras, segundo dirigentes sindicais e economistas, podem paralisar o país.

Ontem, em ato na Associação Brasileira de Imprensa, o ex-presidente Lula afirmou: “Querem punir a Petrobras e criminalizar a política. A gente não pode jogar a Petrobras fora por causa de meia dúzia de pessoas em uma família de 86 mil trabalhadores”. Para Lula, "a elite não se conforma com a ascensão social dos pobres que está acontecendo neste país".

Em Brasília, também hoje, foi realizado outro ato em defesa da Petrobras por petroleiros e sindicalistas.

Amanhã (26), a CUT de Alagoas promove encontro em Maceió, com a presença de João Antonio de Moraes, que participará de debate.

No dia 13 de março acontecem atos em todas as capitais do país.

Leia também: