Você está aqui: Página Inicial / Política / 2014 / 06 / Vereadores de São Paulo pressionam prefeitura por ingressos para abertura da Copa

Brasil x Croácia

Vereadores de São Paulo pressionam prefeitura por ingressos para abertura da Copa

Insatisfeitos com falta de ingresso para abertura do Mundial, parlamentares passam o dia sem debates e votações. 'Se fosse um ingresso para cada um, seria a contento de todos', explica petebista
por Eduardo Maretti, da RBA publicado 10/06/2014 19h58, última modificação 11/06/2014 09h45
Insatisfeitos com falta de ingresso para abertura do Mundial, parlamentares passam o dia sem debates e votações. 'Se fosse um ingresso para cada um, seria a contento de todos', explica petebista
Juvenal Pereira/Câmara Municipal
Adilson Amadeu

'Se não dá para atender a todos, vamos nos contentar em ficar em casa e assistir pela TV', diz Amadeu

São Paulo – Quem foi à Câmara Municipal de São Paulo na tarde de hoje (10) na expectativa de assistir à discussão e até a votação do Plano Diretor testemunhou a insatisfação de vereadores pelo fato de grande parte deles não terem recebido ingressos para a abertura da Copa do Mundo, na quinta-feira (12), na Arena Corinthians (Itaquerão).

A reunião do Colégio de Líderes, marcada para as 14h, foi cancelada sem qualquer justificativa. E a sessão extraordinária prevista para começar às 15h foi suspensa pelo presidente da casa, José Américo (PT), que anunciou uma reunião entre os líderes partidários e o prefeito Fernando Haddad para discutir o Plano Diretor. A reunião já estava marcada antes do problema dos ingressos.

A insatisfação seria pelo fato de terem sido distribuídos à casa "apenas" 18 ingressos para Brasil x Croácia, 14 para os líderes dos partidos e quatro para a presidência. O vereador Adilson Amadeu (PTB) confirmou a jornalistas que havia de fato um descontentamento dos parlamentares com o que chamou de “imbróglio” no caso dos ingressos, que atribuiu à vice-prefeita Nádia Campeão (PCdoB), coordenadora do Comitê Integrado de Gestão Governamental Especial para a Copa do Mundo de Futebol de 2014 (SPCopa).

“O próprio presidente (José Américo), os líderes dos partidos e nós, vereadores, nos sentimos constrangidos, porque não daria para atender aos 55 vereadores. O presidente José Américo devolveu os ingressos para o secretário Paulo Frateschi (Relações Governamentais), porque, se não dá para atender a todos, vamos nos contentar em ficar em casa e assistir à abertura da Copa pela TV”, explicou. “O secretário não teve nenhuma habilidade para resolver a situação de cada vereador.”

Amadeo disse que “se fosse um ingresso para cada vereador, seria a contento de todos”, mas que a vice-prefeita “não soube controlar as necessidades de o vereador ter a condição de ter um ingresso e participar da abertura da Copa no famoso estádio do Corinthians”.

O parlamentar, porém, garante que a insatisfação não foi a causa de não ter ocorrido nenhuma das sessões extraordinárias de hoje, previstas, inicialmente, para as 11h, e depois para as 15h, e tampouco de não ter havido discussão e até votação do Plano Diretor Estratégico (PDE). O plenário da Câmara ficou deserto durante a tarde. “Não, de jeito nenhum. Não foi isso que atrapalhou, mas, ao mesmo tempo, quando uma secretaria faz um imbróglio desse, causa um aspecto triste, porque todos estão já no clima da Copa do Mundo", comentou Amadeo, que ressaltou também o "clima" necessário para votar o PDE: "Precisamos estar no clima do Plano Diretor e ele vai ser votado qualquer hora dessa, sem tristeza nenhuma, com Copa do Mundo ou sem Copa do Mundo."

Por meio da assessoria de Comunicação, a prefeitura de São Paulo informou que recusou a oferta de compra preferencial de mais de 1,2 mil ingressos para os jogos do Mundial que serão realizados na Arena Corinthians. "Por outro lado, recebeu 94 convites para o jogo de abertura e está realizando a distribuição de acordo com critérios de representação institucional entre as três esferas do poder público", afirma a administração, segundo informações do Comitê SPCopa.

"Com relação à Câmara de Vereadores, foram reservados 17 convites que contemplam o presidente da Casa e os líderes de todos os partidos. Não existe, por parte do Executivo Municipal, relação entre esta cortesia e a pauta de votação", disse ainda a prefeitura.

Plano Diretor

Adilson Amadeu afirmou que o debate sobre o Plano Diretor precisa ainda de muito trabalho e estudo para “para amadurecer”. Para ele, vai demorar entre dez e 30 dias para o projeto ir a votação.

José Police Neto, líder do PSD na casa, prevê que o projeto seja votado daqui a duas semanas.

O oposicionista Andrea Matarazzo (PSDB) afirmou que o partido aposta na negociação individual de "casos excepcionais", como a ocupação Copa do Povo. “Sugerimos que se resolva a questão de Itaquera fora do Plano Diretor.” O governo federal vai financiar 2 mil moradias populares na ocupação, na zona leste, a cerca de três quilômetros do estádio do Corinthians.

“Posso dizer que o Executivo tem sido bastante flexível na discussão. Aceitaram discutir isso pra desvincular, porque acharam que é um bom caminho. Mesmo pro movimento social, tentar resolver isso de forma deslocada do Plano Diretor é mais rápido.”