Você está aqui: Página Inicial / Política / 2014 / 02 / Volume de acessos derruba enquete sobre família no site da Câmara

Direitos Humanos

Volume de acessos derruba enquete sobre família no site da Câmara

Com 175 mil votos, consulta que pergunta aos brasileiros se a família só pode ser iniciada por casais héteros sofre com horários de pico e ação de 'robôs'; resultado segue parelho
por Diego Sartorato, da RBA publicado 14/02/2014 12h45
Com 175 mil votos, consulta que pergunta aos brasileiros se a família só pode ser iniciada por casais héteros sofre com horários de pico e ação de 'robôs'; resultado segue parelho
Image Source/Chad Springer/Folhapress
familia_Image-Source_Chad-S.jpg

A pesquisa é motivada por projeto que entende que família é apenas a união entre homem e mulher

São Paulo – Desde terça-feira (11), uma enquete no site da Câmara dos Deputados que pergunta aos brasileiros se a família é o núcleo exclusivamente formado pela união entre homem e mulher mobilizou as redes sociais: 175 mil votos foram registrados até o momento, mas lentidão e quedas de página estão dificultando a participação de quem tenta dar opinião sobre o assunto. Entre as 11h30 e as 12h20 de hoje (14), tentamos acessar a página diversas vezes, mas recebemos apenas a mensagem de "Erro 503", que aponta indisponibilidade do servidor.

Segundo a assessoria de imprensa da Câmara, o problema é que o tema se popularizou nas redes sociais e causou excesso de tráfego na página. Os piores horários seriam os da hora do almoço e pouco antes ou logo depois do horário de expediente, quando mais pessoas acessam páginas de interesse pessoal. A possibilidade de interferência de hackers foi descartada pela Câmara, mas o excesso de tráfego na rede pode estar sendo causado também pela ação de aplicativos que registram votos com grande velocidade, sequencialmente.

Ontem, o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) e movimentos pelos direitos LGBTT comemoravam o resultado favorável aos casais homoafetivos: até então com 114 mil votos contabilizados, 52,1% das respostas indicavam que a família não precisa ser formada necessariamente pela união de homem e mulher, contra 47,9% que defendem a união hétero como única capaz de dar início a um núcleo familiar.

Hoje, com 175 mil votos, o resultado virou, mas continua parelho: 53% dos votantes afirmam que a família só é formada pela união entre homem e mulher, contra 47% que defendem o direito de casais homoafetivos de serem considerados famílias.

A enquete baseia-se no projeto de lei do deputado Anderson Ferreira (PR-PE), integrante da bancada evangélica, que busca criar o Estatuto da Família. O texto propõe que o governo tome postura ativa em defesa das "condições mínimas para a sobrevivência da família formada a partir da união entre homem e mulher".