Você está aqui: Página Inicial / Política / 2014 / 02 / MPF recorre de decisão que isentou agentes da ditadura de ocultação de cadáver

Direitos Humanos

MPF recorre de decisão que isentou agentes da ditadura de ocultação de cadáver

Decisão da 1ª instância negou responsabilização de Carlos Alberto Brilhante Ustra e Alcides Singillo pelo desaparecimento do estudante Hiroaki Tarigoe, morto em 1972
por Diego Sartorato, da RBA publicado 07/02/2014 13h47, última modificação 07/02/2014 15h24
Decisão da 1ª instância negou responsabilização de Carlos Alberto Brilhante Ustra e Alcides Singillo pelo desaparecimento do estudante Hiroaki Tarigoe, morto em 1972
Wilson Dias/Arquivo ABr
UStradepoimentodoisWilsondiasAbr.jpg

Para o MPF, Ustra deve dar informações sobre a morte do estudante ou o crime fica em aberto

São Paulo – O Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo apresentou recurso contra a decisão da 5ª Vara Criminal que considerou extinta a possibilidade de punição dos ex-delegados Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe do DOI-Codi entre 1970 e 1974, e Alcides Singillo, pelo crime de ocultação de cadáver do estudante de Medicina Hirohaki Torigoe, morto em 5 de janeiro de 1972.

A denúncia oferecida pelo MPF em abril de 2013 foi acatada pela juíza titular da 5ª Vara criminal, mas, em janeiro de 2014, o juiz substituto Fernando Américo de Figueiredo Porto declarou extinta a punibilidade dos réus. Em sua decisão, o magistrado entendeu que o crime de ocultação de cadáver seria instantâneo de efeitos permanentes, e não crime permanente, como defende o MPF.

Para o procurador da república Andrey Borges de Mendonça, autor do recurso, está configurado o delito permanente na medida que os acusados podem fazer cessar a qualquer momento a conduta criminosa, bastando apenas que indiquem o paradeiro atual do corpo de Torigoe. “Enquanto o agente não apontar onde se encontra o corpo, a conduta de ocultar estará presente. Não se pode imaginar que o passar do tempo faça cessar a conduta de ocultar, de dissimular”, escreveu Andrey no recurso.

Na denúncia oferecida contra Ustra e Singillo, o MPF demonstrou que, além de ocultar o cadáver de Torigoe, ambos são responsáveis por falsificar os documentos do óbito com o intuito de dificultar a localização do corpo, ordenando a seus subordinados que negassem informações aos pais da vítima a respeito de seu paradeiro e retardando a divulgação da morte em duas semanas. A intenção era de ocultar o cadáver e garantir a impunidade do homicídio, crime cujas autoria e materialidade ainda estão em apuração.