Você está aqui: Página Inicial / Política / 2013 / 09 / Dilma diz que quer construir 'prática sistemática de ouvir as ruas'

Transparência

Dilma diz que quer construir 'prática sistemática de ouvir as ruas'

Presidenta lança novo portal que centraliza informações sobre serviços públicos federais, notícias do governo e direitos dos cidadãos
por Redação RBA publicado 27/09/2013 19h04
Presidenta lança novo portal que centraliza informações sobre serviços públicos federais, notícias do governo e direitos dos cidadãos
Roberto Stuckert Filho/Planalto
portalbrasil_stuckert.jpg

A presidenta acredita que o oferecimento de serviços via internet torna melhor a relação entre cidadão e Estado

São Paulo – A presidenta Dilma Rousseff afirmou hoje (27) que está trabalhando para garantir a elaboração de uma política pública transparente e eficiente, que permita a participação efetiva dos cidadãos e o acesso a informações governamentais. “Nós agora estamos reformulando alguns dos instrumentos que nós temos. E isso significa que nós queremos construir uma prática sistemática de ouvir as ruas, de ouvir as ruas, de ouvir o que querem as universidades, de ouvir o que querem as pessoas, a população da cidade e do campo do Brasil, dos diferentes segmentos sociais, e ouvir as redes sociais, ter com as redes sociais também uma interação.”

No Palácio do Planalto, Dilma lançou a nova versão do Portal Brasil, página que tem a intenção de passar a reunir serviços públicos na esfera federal, notícias e informações sobre direitos legais. Além disso, hoje ela reativou sua conta no Twitter, que não usava desde as eleições de 2010, e criou uma página oficial para fãs no Facebook.

No discurso, de 11 minutos, ela enumerou recentes iniciativas de democratização e transparência, como a Lei de Acesso à Informação e a divulgação de mais informações sobre a execução do Orçamento federal. A presidenta indicou, porém, que há uma necessidade de ir transformando a cultura do país em direção a uma consolidação de direitos, hoje frequentemente contestados pelo poder público.

“Ainda a lógica analógica, dos papéis, permeia todo o governo. Então, a nossa ideia é justamente começar um processo no qual o governo muda de analógico para digital. O Gabinete Digital é esse esforço de fazer esse processo”, argumentou. “Ele não é simples, nós sabemos que ainda durante algum tempo teremos essas duas questões correndo paralelamente, mas a ideia por trás disso é para fazer com que essa transição seja mais rápida, é isso. Nós estamos pensando, e por trás do que nós estamos fazendo, tem essa lógica e esse sentido.”

Dilma acredita que essa iniciativa por mais transparência muda também a maneira como o servidor público se enxerga e é enxergado. Hoje, na visão dela, há preconceito contra o funcionário de órgãos do Estado, que precisa ser valorizado porque é quem faz o Estado funcionar. “Daí porque no nosso Gabinete Digital há uma preocupação forte com a questão da comunicação entre o servidor, a sociedade, as próprias camadas dirigentes do governo e tornar o servidor um ente fundamental, porque ele é crucial para a realização de todas as políticas para prestação de serviço e para a qualidade dessa prestação.”

De outro lado, ela entende que a implementação de mecanismos digitais vai mudar a relação do Estado com o cidadão. A presidenta avalia que atualmente há uma diferença de tratamento entre os vários órgãos públicos, que tende a ser atenuada nesta nova etapa. “Ao tratar o cidadão como uno, nós estamos reconhecendo e nos curvando, de forma humilde, ao reinado do cidadão sobre a questão da informação. Ele passa a ser aquele que define em que condições que ele acessa, e não nós que vamos definir em que condições ele vai acessar.”