Você está aqui: Página Inicial / Política / 2012 / 08 / Para procuradores, falta investigar braço financeiro do esquema Cachoeira

Para procuradores, falta investigar braço financeiro do esquema Cachoeira

Eles disseram à CPI que ligações do bicheiro com a Delta também precisam ser aprofundadas
por Agência Senado publicado 21/08/2012 15h21, última modificação 21/08/2012 16h36
Eles disseram à CPI que ligações do bicheiro com a Delta também precisam ser aprofundadas

O caminho do dinheiro movimentado pela organização criminosa de Carlinhos Cachoeira é um dos aspectos ainda não totalmente conhecidos pelos órgãos que investigam a rede do contraventor. De acordo com os procuradores Léa de Oliveira e Daniel Rezende Salgado, que atuaram nas operações Vegas e Monte Carlo da Polícia Federal, o grupo não foi desbaratado totalmente, sendo preciso “quebrar a espinha dorsal” da organização.

Segundo os procuradores, já se sabe que a organização cobrava parcela do lucro de casas de bingos e recebia valores em cheque, que eram enviados a uma empresa de factoring. A empresa ficava com 6% do valor dos cheques e enviava o restante para contas do grupo criminoso, que usava o dinheiro para manter o esquema de corrupção e cooptação de agentes públicos.

Conforme Daniel Salgado, conversas gravadas pela Polícia Federal mostram integrantes falando sobre essa forma de financiamento para manter o esquema.

"Eles falavam em pagar um boi para passar uma boiada", contou.

No entanto, devido a vazamentos, muitas ações foram antecipadas, não tendo sido realizadas investigações sobre o braço financeiro da organização criminosa.

"Para desbaratar de vez essa organização é preciso sufocá-la financeiramente", disse Salgado, acrescentando que também é necessário manter o confisco dos bens do grupo de Cachoeira, que já totalizam R$ 167 milhões.

O procurador ressaltou que a demora na conclusão dos inquéritos pode favorecer o retorno dos bens aos criminosos.

Os procuradores informaram que as investigações feitas até o momento também não aprofundaram as relações da empresa Delta com o esquema de Carlinhos Cachoeira. Eles identificaram “sinais de aproximação” entre o contraventor e Claudio Abreu, representante da construtora Delta no Centro-Oeste, e também suspeitas de envolvimento da Delta com empresas  de fachada.

Léa de Oliveira e Daniel Rezende Salgado falam hoje (21) aos integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) Mista do Cachoeira.