Você está aqui: Página Inicial / Política / 2011 / 08 / Governo anuncia liberação de R$ 1 bi em emendas para acalmar base

Governo anuncia liberação de R$ 1 bi em emendas para acalmar base

Ministra de Relações Institucionais, Ideli Sanvatti, anunciou que o governo irá pagar emendas de 2010 já empenhadas e liberar R$ 1 bi para as de 2011
por raoniscan publicado 17/08/2011 11h27, última modificação 17/08/2011 11h48
Ministra de Relações Institucionais, Ideli Sanvatti, anunciou que o governo irá pagar emendas de 2010 já empenhadas e liberar R$ 1 bi para as de 2011

São Paulo – A ministra de Secretaria de Relações Institucionais Ideli Salvatti anunciou, na manhã desta quarta-feira (17), que o governo irá liberar recursos para saudar parcialmente as emendas parlamentares apresentadas em 2011 e “zerar” as já empenhadas no ano passado. A medida visa a acalmar os deputados da base aliada que, insatisfeitos com cortes nas verba das emendas promovidas a partir de fevereiro deste ano, já estão na segunda semana de uma “greve branca” no Congresso, se negando a realizar votações em plenário.

O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Teixeira (SP), explicou à Rede Brasil Atual como foi a reunião. “No encontro dos líderes da base aliada com a ministra Ideli, ficou acordado que o governo iria pagar todas as emendas parlamentares já empenhadas de 2010 e liberar inicialmente R$ 1 bilhão para as emendas de 2011”, disse. Para este ano, o total em emendas individuais soma R$ 7,7 bilhões.

A expectativa é de que a liberação dos recursos alivie tensões entre deputados e governo. Para o líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), o mais importante foi a decisão de pagar aquilo que já havia sido empenhado. “Os municípios estão em situação vexatória. São obras já concluídas e não pagas. O que estiver pronto, as prefeituras com documentação regular, vão receber. Essa foi a grande notícia de hoje. O governo já tinha acertado, mas isso não vinha sendo executado”, afirmou líder.

Entre as comissões, a de Orçamento é a que tem sido mais prejudicada com a ausência da base aliada. O PMDB havia definido não dar quórum enquanto os recursos não fossem liberados, dificultando enormemente o trabalho do executivo, que reagiu rapidamente liberando o dinheiro.

Com informações Agência Câmara