Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 10 / Serra diz que Brasil precisa aproveitar Copa e Olimpíada para resolver problemas estruturais

Serra diz que Brasil precisa aproveitar Copa e Olimpíada para resolver problemas estruturais

No Rio de Janeiro, candidato critica inflação de alimentos básicos e a "truculência" do PT durante a campanha
por Redação da RBA publicado , última modificação 26/10/2010 17h20
No Rio de Janeiro, candidato critica inflação de alimentos básicos e a "truculência" do PT durante a campanha

O candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, em visita as obras do estádio do Maracanã nesta terça-feira (Foto: Rafael Andrade/Folhapress)

São Paulo – O candidato à Presidência da República pelo PSDB, José Serra, disse hoje (26) que, se for eleito, dará todo apoio à preparação do Brasil e do Rio de Janeiro para a Copa do Mundo de 2014 e para as Olimpíadas de 2016. Na cidade do Rio, onde visitou as obras do Estádio do Maracanã, Serra disse que os dois eventos representam uma oportunidade de resolver muitos problemas do país e deixar um legado para o futuro.

“Nós vamos ter a oportunidade de resolver muitas questões de transporte, de saneamento, de ocupação do solo, com investimentos pesados que têm que valer para depois da Copa. No caso das Olimpíadas, temos que seguir o exemplo de Barcelona, com investimentos que fiquem para sempre e configurem um grande avanço na paisagem urbana e nas condições de vida, principalmente em transporte e saneamento”, disse Serra.

Serra visitou o Memorial do Maracanã, colocou os pés na calçada da fama, nas marcas deixadas por Garrincha e Pelé, bateu bola no gramado do estádio e cobrou pênalti. Segundo ele, todos os prefeitos e governadores terão tratamento igual. “Não haverá nenhum tipo de discriminação. Não terei a menor dificuldade, no Rio, de governar cooperando com o governador Sérgio Cabral, que acabou de ser reeleito, e com os prefeitos, inclusive com o prefeito da cidade do Rio de Janeiro”.

Serra também disse que o próximo presidente terá que resolver problemas nas áreas de saúde, segurança, educação, infraestrutura e inflação, que, de acordo com o candidato, não foram resolvidos pelo atual governo.

Durante a visita ao Maracanã, Serra também lamentou a morte do senador Romeu Tuma. “Lamento muito. Fui colega dele no Senado. Era um homem sereno. Quero neste momento mandar meu abraço a sua família, sua esposa, seus irmãos e seus filhos. Éramos amigos pessoais. Além de um político importante, perco um amigo também”, disse Serra.

Alimentos

Serra, criticou a alta de alimentos básicos no país e afirmou que o governo deveria adotar medidas para conter a aceleração dos preços de produtos básicos. Serra alertou para as recentes altas ocorridas em produtos como carne, frango, macarrão e outros. Segundo ele, "carne está virando um produto de luxo", por causa da alta nos últimos três meses.

Ele defendeu medidas de estoque e infraestrutura para evitar a situação. Os preços dos alimentos no Brasil registraram altas seguidas nas últimas semanas devido a fatores locais e também como reflexo da elevação dos preços internacionais. Localmente, o país está na entressafra de grãos e um inverno mais seco que o normal reduziu a disponibilidade de alguns produtos. No exterior, uma forte seca na Rússia e em partes da Europa reduziu safras de cereais, afetando também a produção de açúcar.

Truculência

A visita do candidato ao Maracanã estava programada para a semana passada, mas teve de ser cancelada depois de Serra ser atingido por um objeto – uma bolinha de papel e, segundo a campanha, um rolo de fita adesiva – num confronto entre cabos eleitorais do PT e do PSDB em Campo Grande, na zona oeste do Rio de Janeiro. O tucano acusou o partido adversário de ter usado muita truculência durante a corrida presidencial.

"A principal truculência é das ruas. Eu sofri muito nesta campanha com a truculência das ruas em vários lugares, inclusive bloqueios dos batalhões de choque do PT, como aconteceu em Campo Grande", disse ele a jornalistas.

Com informações da Agência Brasil e Reuters