Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 10 / PSDB recua no tom sobre agressão, mas move ação contra manifestantes

PSDB recua no tom sobre agressão, mas move ação contra manifestantes

Legenda foge do embate com Lula, que acusou Serra de mentir sobre agressão
por Redação da RBA publicado , última modificação 22/10/2010 19h32
Legenda foge do embate com Lula, que acusou Serra de mentir sobre agressão

São Paulo - O candidato à Presidência da República, José Serra (PSDB) e lideranças de seu partido baixaram o tom no caso da suposta agressão ao tucano no Rio de Janeiro, na quarta-feira (20). As críticas a Luiz Inácio Lula da Silva e a insistência em afirmar que houve dois objetos atirados contra Serra arrefeceram, mas a legenda de oposição entrou com uma ação na Procuradoria Geral da República (PGR) contra duas pessoas que teriam participado do confronto entre militantes do PT e do PSDB. Ações contra Lula estão descartadas por ora.

"Não se trata de discutir mais de que matéria foi feito o objeto que atingiu a cabeça do candidato José Serra", desviou Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), senador eleito por São Paulo. O partido apega-se à ideia de que a caminhada do tucano foi "brutalmente perturbada" e interrompida por "uma tropa de choque" que teria sido "organizada previamente" para deter Serra.

Na representação na PGR, são acusados o diretor do Sindicato dos Agentes de Combate a Endemias, José Ribamar de Lima, e Sandro Alex de Oliveira Cézar, conhecido como "Sandro mata-mosquito". Eles serão representados pelos artigos 248, 331 e 332 do Código Eleitoral. Esses artigos impedem que se perturbe, inutilize ou altere meios lícitos de propaganda eleitoral e do exercício dela. O pedido é de abertura de inquérito pela Polícia Federal.

Nesta sexta-feira, líderes da coligação reuniram-se na sede da campanha tucana, entre eles o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), o presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), e senador Alvaro Dias (PR).

Sérgio Guerra foi questionado se pretendia tomar alguma atitude contra o presidente Lula. Na véspera, acusou Serra de mentir e de ter criado uma farsa durante o confronto entre militantes petistas e tucanos. Ele chegou a comparar o candidato ao goleiro chileno Rojas que, em 1989, simulou ter sido atingido por um foguete no Maracanã, em partida pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. Acionar Lula na Justiça é uma medida descartada por ora pela oposição.

Serra, em entrevista a jornalistas nesta sexta, em Porto Alegre, manteve o tom ameno. "Lula se comportou como militante", limitou-se Serra. O tucano afirmou ainda que ao dar aval a casos como esse o presidente Lula acaba estimulando que os atos se repitam. Disse que essas agressões são resultado de uma concepção em que os adversários são inimigos e precisam ser destruídos com mentira e violência.