Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2018 / 06 / Trump mantém filhos de imigrantes separados das famílias em condições precárias

Imigração

Trump mantém filhos de imigrantes separados das famílias em condições precárias

Diante de denúncias da ONG ProPublica, que divulgou um áudio com crianças implorando por ajuda e agentes de segurança ironizando o desespero, Unicef classificou política dos EUA como 'abuso infantil'
por Redação RBA publicado 19/06/2018 15h26, última modificação 19/06/2018 15h28
Diante de denúncias da ONG ProPublica, que divulgou um áudio com crianças implorando por ajuda e agentes de segurança ironizando o desespero, Unicef classificou política dos EUA como 'abuso infantil'
latuff
trump nazi.jpg

Trump vem afirmando que não vai mudar sua política de intolerância

São Paulo – Centenas de crianças filhas de imigrantes estão separadas de seus pais nos Estados Unidos por conta da política de tolerância zero do presidente do país, Donald Trump, contra a imigração ilegal. De acordo com informações de agências internacionais, as condições são as piores possíveis. A organização não-governamental ProPublica teve acesso ao áudio de um desses locais no estado do Texas, sul dos Estados Unidos. Nele, é possível ouvir gritos de crianças e agentes norte-americanos ironizando a situação. “Temos uma orquestra aqui”, diz um deles.

Desde abril, cerca de 2.300 crianças já foram separadas de seus pais nos Estados Unidos. A estimativa é que a maioria delas tenha entre quatro e 10 anos. Ao final da gravação obtida pela ONG, uma criança implora para que alguém a ajude a ligar para sua tia e é atendida. A ProPublica ligou para essa mulher, que relatou o que ouviu de sua sobrinha, de seis anos, presa pelo governo Trump. “Ela me disse: ‘eu prometo que vou me comportar, mas por favor me tire daqui. Estou sozinha’”. A tia, imigrante de El Salvador, disse que aquele foi “o momento mais difícil” de sua vida.

As crianças não possuem camas, apenas sacos de dormir. “Eu sei que ela não é uma cidadã norte-americana. Mas ela é um ser humano. Ela é uma criança”, completou a tia da pequena presa. Os mantimentos são precários: garrafas de água e sacos de salgadinhos. As luzes ficam acessas 24 horas por dia. Diante do horror relatado, o Fundo das Nações Unidas para a Criança (Unicef) pediu o fim imediato do que chamou de “abuso infantil”.

“Pensar que um Estado pretende dissuadir os pais (de entrar ilegalmente no país) ao infligir tal abuso sobre as crianças é inadmissível”, disse o alto-comissário das Nações Unidas para Refugiados, Zeid Ra’ad al-Hussein. “Estou profundamente preocupado pelas políticas adotadas nos Estados Unidos que castigam as crianças pelas ações de seus pais (…) Insto os Estados Unidos a acabarem imediatamente com a prática de separar à força estas crianças e apelo ao governo para que ratifique finalmente a Convenção sobre os Direitos da Criança, a fim de assegurar que os direitos fundamentais de todos os menores, qualquer que seja o seu estatuto administrativo, estejam no centro de todas as leis nacionais”, completou.

O horror fica completo com a reação de Trump. O republicano vem afirmando incessantemente via redes sociais que não vai mudar sua política de intolerância. Ele ainda vem cobrando o Congresso para que mude as leis e endureça ainda mais a política contra imigrantes. “Nós precisamos prender pessoas que entram no nosso país ilegalmente”, disse o presidente em seu perfil do Twitter. “Agora é a melhor oportunidade para que o Congresso mude as ridículas e obsoletas leis de imigração. Façam isso, tendo sempre em mente que precisamos ter uma política de fronteira forte”, disse em outro texto.

Ouça o áudio: