Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2017 / 12 / Honduras: tribunal aponta presidente reeleito e oposição denuncia fraude

impasse

Honduras: tribunal aponta presidente reeleito e oposição denuncia fraude

Com 99,96% das urnas apuradas, atual presidente, Juan Hernández, aparece à frente com menos de dois pontos percentuais de diferença. Oposição pediu recontagem
por Redação RBA publicado 04/12/2017 13h53, última modificação 04/12/2017 14h12
Com 99,96% das urnas apuradas, atual presidente, Juan Hernández, aparece à frente com menos de dois pontos percentuais de diferença. Oposição pediu recontagem
Reprodução/Facebook
oposição honduras

Após paralisação na contagem, atual presidente apareceu liderando a apuração. Oposição denuncia fraude eleitoral

São Paulo – Após recontagem parcial de votos, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de Honduras aponta vitória do atual presidente do país, Juan Hernández, em eleições realizadas no último dia 26. Com 99,96% das urnas apuradas, Hernández registrou 42,98% dos votos válidos, enquanto o candidato opositor, Salvador Nasralla, ficou com 41,39%. O TSE ainda não proclamou o resultado oficial.

A oposição diz que não reconhece o resultado. O coordenador da Aliança de Oposição contra a Ditadura, o ex-presidente Manuel Zelaya, havia pedido neste domingo (3) que 5.179 urnas suspeitas de fraude fossem recontadas, mas o TSE decidiu incluir apenas 1.006 urnas no processo de verificação.

As suspeitas de fraude eleitoral se avolumaram quando a contagem de votos foi paralisada na terça-feira (28). Com cerca de dois terços das urnas apuradas, o opositor Nasralla liderava com cinco pontos percentuais de vantagem. Depois da paralisação, que durou 24 horas, o atual presidente assumiu a liderança. “Caíram os sistemas, caiu tudo e começaram a entrar atas (eleitorais) que não estavam assinadas”, afirmou Nasralla, pelo Twitter.

Hernandéz, que não poderia concorrer à reeleição, segundo a Constituição hondurenha, contou com interpretação favorável da Suprema Corte do país para poder pleitear um segundo mandato. Em 2009, em situação semelhante, o então presidente Zelaya foi deposto por um golpe militar, quando buscava mudança legislativa que possibilitasse a sua candidatura a um segundo mandato.

Milhares de apoiadores da Aliança de Oposição contra a Ditadura saíram às ruas das principais cidades do país para protestar contra o que é uma tentativa de fraude eleitoral, segundo eles. Para sufocar os opositores, o governo hondurenho decretou toque de recolher, na noite de sexta-feira (1º), e, no dia seguinte, foi decretado estado de exceção, que segue vigorando no país da América Central.

Também no domingo (3), o papa Francisco pediu para que o impasse político fosse superado pacificamente, após os confrontos de rua entre opositores e forças de seguranças terem resultado em ao menos três mortos. "Nas minhas orações lembro de maneira especial também do povo de Honduras, para que possa superar de modo pacífico o atual momento de dificuldade", declarou aos fieis na Praça São Pedro, no Vaticano. 

A decretação do estado de exceção, que suspendeu garantias constitucionais, teria sido realizada a pedido das Forças Armadas, da polícia e também por empresas privadas e câmaras de comércio do país.